quinta-feira, setembro 30, 2021

força inaudita

 que falemos de outras coisas,

passou tanto tempo,

já não se supõe o amor,

nem a felicidade,

provavelmente só os sorrisos

indecisos,

escondidos num canto de 

café,

ao entardecer,...


falemos de outras coisas,

ainda é tempo para a força

inaudita de um desejo



quarta-feira, setembro 29, 2021

Casa da alegria

 


A minha frase,

Completo-a com a retórica indigna de um fim de tarde,

E duas,

Três imprecisas formas de iniciar esta mesma noite,... 


Em que poderá haver o que não conseguires achar,

E o que sendo nosso,

Se perde ao fundo das coisas que nunca serão de todos os que conhecemos,... 


Porque dos mesmos que inocentámos,

Por entre a alegria do álcool de todos os dias,

E o destino desta fome que corroía o querer,

Há qualquer coisa que sobra na casa da alegria,

Que reconhecemos como de  usufruto universal

terça-feira, setembro 28, 2021

Significar o breu

 


Se me preparo para o pior,

Tudo aquece de forma inexorável,

Há um comandante que chora os pequenos barulhos da solidão,

Como se houvessem paredes por todo este mundo inodoro,

Sem remessas deste adeus que nada representa,...


Comprometo me só com este poema,

Nada mais poderá significar o breu,

De forma tão intensa 

segunda-feira, setembro 27, 2021

Não medo

 


Tenho receio,

Não aquele medo corpóreo,

Com dentes e ilusão de grandeza próprios,

Receio de que doa para sempre,

E me falte o ar de cada vez que tento inspirar o mundo num daqueles dias de verso feliz,

Que parecem nunca esgotar-se para nosso deleite,...


Agora há amor nesta confissão,

Em passar para um rascunho de cantos rasgados,

Que a vida só me chega para os trocos,

E nunca conseguirei construir sonhos com ela,...


Tenho receio,

Portanto,

Não medo

domingo, setembro 26, 2021

Olha nos olhos no desespero

 


Nós somos como cães,

E talvez não se atentarmos no futuro assim renovado,

Disposto de forma deficiente como se fosse um osso,

Inalcançável no contexto de um universo reduzido,...


E depois há tantas e tantas histórias contadas,

Como se nós fossemos o velhote sem nada a perder,

Que olha nos olhos no desespero e nada,

Encontra dentro do peito para sequer partilhar um momento que se possa considerar de medo,...


Somos como cães,

De facto,

Na medida em que nada disto é verdade,

E só o que temos é o dorso para dar a quem passa 

sábado, setembro 25, 2021

Pares de dedos esquálidos

 


Este foi o tempo que libertaste devagarinho,

Por entre pares de dedos esquálidos,

Mas ainda assim desafiantes,... 


Assistiamos ao desafio de emoções,

Pensamentos reduzidos ao tamanho de pequenos bichos de conta,

Que se esgueiravam pelas frestas de um chão desvirginado pelo Estio,...


Modelavas a razão própria das desilusões,

Os despojos dos dias desaproveitados,...


Talvez fosse um talento só teu,

Tratar assim o tempo,

Eu esfumava as emoções pelos olhos ao observar-te

sexta-feira, setembro 24, 2021

A súmula

 


Entretanto,

Deste-lhe uma nova perspetiva de vida,

Uma luz de presença constante chamada razão,

Duas vezes o que alguma vez tinha tido de memórias boas,

E uma redução específica de frases,...


Estava reduzida ao mínimo indispensável,

À capacidade de dizer fraco,

Sem que alguma vez tivesse percebido o que forte significava

quinta-feira, setembro 23, 2021

Letras ilusórias

 


A forma como rediges memórias,

Como atabalhoadamente te refugias nos verbos sem contexto,

Nas letras ilusórias,

Até em versos desprovidos de entoação,

Atesta que a humidade já assentou,...


Acabou aquele inverno longo e de caminhos sinuosos,

E não há mais dias sem horas definidas,...


Estarás do lado deles,

Dos que me querem mal,

Daqueles que vejo esperando que os meus olhos não se cravem nos deles,...


Para abreviar o resto de ilusão,

Um fio de água enche este copo repleto de falhas,

Que me farão sangrar 

quarta-feira, setembro 22, 2021

Interrogação mal desenhada

 

Eu desejo a sorte de uma interrogação mal desenhada,

Das frases inválidas que se somam à negação,

Em todos os minutos,

Em cada momento que aguardo o entardecer na mesma esquina triste e recôndita,

Espero-me sempre menos infiel,...


Mais certo de que a percepção de um erro,

Custa tanto mas tanto desejo,

Que nos encontramos secos e desenganados de um futuro diferente 

terça-feira, setembro 21, 2021

Daqui a minutos voltamos à nossa grelha normal

 Um vento,

Uma só perversão,

O que me concedeste nos bolsos deste Inverno,

Sabendo que debruçado sobre um desenho de tragédia,

Não sobra qualquer abstração estrangeira,

Que se consiga legendar a tempo de ser uma manhã,

Que possamos desejar chamar de novo nossa,...


Não é mais que um trecho embriagado de reconversão poética,

O que aqui te deixo de soslaio,

Nesta bandeja tosca,... 


Melhor não sei fazer,

A não ser que haja outono nos recônditos miúdos que saem da velhice,

Daquilo que já tivemos de devoção contida 

Anões de Klimt

 


Eu conseguia jogar com a realidade,

Imaginar anões de klimt a manobrarem um pôr do sol inquieto,

Quase medieval de tantas interrogações que guardava,

E ao mesmo tempo perguntar ao som abafado do vazio,

De quantas vozes somos nós herdeiros,...


E enquanto isso há um sabor de latinidade,

Neste ar aflito dos dias travestidos

segunda-feira, setembro 20, 2021

Engolia ódios

 


Era um rumor que se avolumava em ondas de destruição,

Engolia ódios,

Terra desfeita e anormalidades que a poesia  extraía da poeira,

Caminhava pelas frestas do tempo e da ausência de espaço,... 


E com tudo ausentava do rosto das pessoas,

O pânico,

A ilusão de momentos que a luz não mais ia trazer 

domingo, setembro 19, 2021

A discorrência da luz


 A luz virá,

e será escrita como aqui mostro,

de letras grandes, 

e sem pontuação já que tudo corre

sem ar quando queremos,

afirmar uma posição,...


e não será a morte,

nem terá formas disformes

de aberração,

ela virá inconsequente,

com pernas bambas,

iludida por filosofias que já não existem,

mas fica sem resposta,

com um abismo inofensivo pelo meio

sábado, setembro 18, 2021

Avental


 

Paixão,

a cara semi-limpa com o avental

malcheiroso,

cheio de nódoas de sangue pisado

dos animais a quem se tirou a vida,...


um beijo na própria consciência,

o repisar de tantas vezes que se foi

feliz,

com aquela mão,

uma pele áspera num rosto

sem idade,

e o principal poema tosco,

hemafrodita até,

mas que subia pelas veias acima,..


e depois a noite,

o eterno impropério

da noite,

como quem espera pela eternidade

recém-nascida

sexta-feira, setembro 17, 2021

Coisas disformes

 


A lonjura,

Ou um corte longitudinal na consciência,

De onde em vez de sangue brotam fios enleados de grotesco,

Coisas disformes,

Que cheiram a anormalidade iludida,

E a decisões mal tomadas,...


Por mim circundo-as com versos,

Na esperança de haver um além que me possa servir de destino,

Em vez do prato de sopa de coisa nenhuma habitual 

quinta-feira, setembro 16, 2021

Animal que parte

 


A dureza do teu desprezo ou um animal que parte,

Sem despedida,

Tudo era conjugavel no passado,

Em verbos ilusórios,

De sujeito transparente e desprovido de sentimentos,....


Como as pestanas falsas de uns olhos que nem conheço,

E a boca da reza que me deixavas,

Crente de que para mim só a inviabilidade da discórdia conta,...


Fiz o balanço nesta data, 

Agora que já me sou infiel,

E de ti tentarei guardar um monte de ilusões 


quarta-feira, setembro 15, 2021

Tanto batismo diferente

 

Ainda nem a roupa deixara puir,

E já se mostrava como má rés,

As pessoas admitiam-no,

O hortelão tinha as folhas das couves pisadas como prova,

O prior descontava do próprio bolso todos os dias,

Para encher a depauperada caixa de esmolas,

E a mãe cansara-se de abrir a Bíblia no sítio que achava certo,...


O rapaz não tinha remédio,

Tinhoso,

Meia Leca,

De roupa inocente de mais para os vincos da cara,

Tinham-se esquecido do nome,

Porque a cada dia recebia tanto batismo diferente 

terça-feira, setembro 14, 2021

Letra tremida de querer fugir

 


Sem as raízes alindadas,

O húmus da Terra com cheiro de manhã de chuva,

Em dia de fins de esperança,

Mesmo assim há a letra tremida de querer fugir,

Uma dúvida,....


Não me acho competente para explicar o que significa a coordenação,

Parca,

Do que tudo isto representa de inventivo,

Mas remeto-me ao silêncio por doer-me o coração 

segunda-feira, setembro 13, 2021

incomensurável

regresso devagar ao teu incomensurável,

à maneira insubstituível que tens

de fazer coisas grandes,

no sorriso obscuro da grandiosidade,...


sinto-me bem ao pé de coisas de rotina,

da água corrente,

e tu estás na fronteira entre

o certo de tudo isto,

e o incerto da aridez,...


há música nos intervalos do chão

árido da tua,

ausência



domingo, setembro 12, 2021

Odor de desalinho

 A solidão,

Tal como a entendo,

Tal como gosto de a ver escondida entre as linhas mal redigidas de uma manifestação de desejos,

Perdeu o sentido do corpóreo,

Do odor de desalinho até,...


Hoje à tarde,

De tantas tardes pequenas e recem nascidas que já deixei para trás,

Esta tinha de ser a certa,

A de roupa mais inocente,

Que me permitiu voltar aos dias em que dormia iludido, pela perfeição da inocência do silêncio,

Em que tudo tinha cor dentro do amorfo da distância,... 


E do que agora me é dado ver,

Estou em aflitiva regressão,

Ciente de que o comboio do passado vai voltar a passar 

sábado, setembro 11, 2021

Buraco negro


 o buraco negro da minha memória

cresce desmesurado,

há pessoas espalhadas pela rua

que guardo,

fechada à mudança,

dentro da hipótese de evolução

que hoje me acho,...


e lá ao fundo,

mal se vê,

está a casa onde 

irei fechar a minha vida

sexta-feira, setembro 10, 2021

A memória permanece

 esta noite,

nem mesmo as nuvens que

fazem a vontade,

e escondem a lua,

desmaiam a forma como

os teus olhos trabalham,

intoxicados,

afogados na cacimba

irrisória do dealbar do dia,...


há muito mais por contar,

assim queiramos desnivelar o

chão onde caminhamos,

e esperar pelo futuro aninhados

no canto dos sítios em que passamos,

a cantarolar o que nos adormecia em

crianças



quinta-feira, setembro 09, 2021

Gromos espessos

 Nunca serei capaz de explicar,

Isto da terra remexida,

Com gromos espessos,

Que nos desonram a pele,...


Haver um desejo fortuito que nos desvirgina a honra,

É tudo confuso,

E sem sol 


quarta-feira, setembro 08, 2021

Tendência humana

 Recorro ao surreal,

ao hediondo,

a oportunidade surgiu na,

primeira vez que fechei os olhos,

e do escuro fiz irresponsabilidades de papel,

dobra,...contradobra,...


A custo vieram flores de verde sangue,

que brotavam ao vento,

e se espalhavam pelo mundo a ponto

de inverter o sentido da criação,

deixando-a nos braços do passeio

sobre as águas




terça-feira, setembro 07, 2021

Caminhos indevidos


Tente,

Apesar dos deslizes da percepção,

De este ser um remendo próprio de um dia cinzento,

Tente,

Procure a redenção nesta modalidade de escrita,

Que faz os poetas recorrer à terceira pessoa,

Para deturpar o que está na origem da falta de inspiração,...


Apesar de rudimentar,

Esta inspiração,

Assim a chamo por realmente me parecer a melhor forma de inspirar quem desanima,

Prossegue por caminhos indevidos,

Até que o dia tenha uma cor arredondada de novo 

segunda-feira, setembro 06, 2021

Estio

 


E foi um dia como outro qualquer,

A sério,

Não me despedi da dor,

Há água suficiente nos gestos de irreflexão,

que as minhas mãos me compelem a fazer,...


Este planeta roda pelo menos assim o parece,

A minha sombra neste dia de 40 graus,

 já não está no mesmo sitio 

domingo, setembro 05, 2021

Ode gravitacional que inuma

 


Por cima de nós um barulho quase metálico,

Que me acompanha enquanto observo o gato,

Que circunda a caneca de chá quente ao vomitar um fio de fumo indefeso,

Que se ergue nos céus quase como se quisesse fugir de um predador indiferente,...


Talvez este meu pensamento de ver uma mulher que caminha pela praia,

Enquanto observa a ode gravitacional que inuma e descobre as conchas,

Debaixo de lençóis de gravilha,... 


É assim há tanto tempo,

Quase como o mesmo que me envolve a dissolução de ideias,

Enquanto penso que ainda não li,

E se calhar já não o irei fazer 

sábado, setembro 04, 2021

Sim Scarlett, talvez esteja...

 




Desconstrução



tem sido a dor possível,

a boca encovada,

os olhos distantes,

à beira-mar desconstruídos,...


a luz é-me insuficiente,

quando na escuridão trabalho

os retornos de nenhum sítio,

e é comigo próprio,

e com a frase eterna dos remediados,

que se confirma o lamento

e a incompreensão

sexta-feira, setembro 03, 2021

Mãos feitas de ar

 


Escolheu-se um momento,

Sem se saber a duração temporal,

A cor dos sonhos,

Ou até se as mãos das pessoas seriam feitas de ar,

Mas escolheu-se,...


A ideia era levar a três decisores do mundo,

A vontade expressa daquela terra,

Tinha a lógica das vontades que alteram o passado,

E moldam o futuro,

Tinha até uma refeição em família,

Como instante puro do devir da evolução,...


O percurso foi longo,

Sem que se soubesse o caminho a trilhar,

Mas chegou-se lá,

E hoje não faz parte deste processo criativo qualquer vestígio do que ali se passou,

O conceito de espaço e tempo não mais se aplica aqui 

quinta-feira, setembro 02, 2021

Acertar das horas


 Se dizias vir às duas,

Eu por exemplo já desviava olhares do acertar das horas,

E concentrava-me no descascar da humidade, 

que o Charlie Parker provocava,

O tal que fazia efeito térmitas quando parecia subir pelas paredes,

Como gostavas de dizer,...


Há situações e situações de analogia, 

entre a necessidade de comer conversas despropositadas, 

E a solidão considerada por si só como lição de música,... 


E de tudo a menor das coisas no beijo de compra, 

Com que me exemplificavas,

Dia sim dia não,

Como a culpa mói mais a nossa carne, 

que a doença 

quarta-feira, setembro 01, 2021

Setembrando a 4 de junho


 Aprendi que a voz,

O grito sobre outro grito,

A disposição de um olhar seco e que espera,

Pela última promessa de redenção de um homem mudo,

Jaz sobre uma cruz,... 


Não para espiar pecados sob vestes anuladas e que renegam admiração,

Mas sim como desafio ao amor,

Quase como se à mesma mesa da repulsa,

Se sentasse uma herança de homens maus,

Sobre quem não interessa agitar as águas de um mundo que anseia por aflição 

Etiquetas

Poesia (1183) Vida (996) Surreal (458) poema (445) poemas (443) escrita (316) pensar (261) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (193) Escrever (183) abstrato (146) Textos (117) poesias (110) Reflexão (90) introspeção (89) prosa (88) Portugal (86) autores (85) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (80) imagem (80) Sonhos (78) youtube (70) musica (67) Tempo (62) Contos (61) Passado (61) Absurdo (57) Amor (57) Literatura (56) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (42) imagens (36) texto (36) pensamento (35) Ironia (34) foto (34) História (33) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (25) Música (23) Dedicatória (22) Memória (21) recordar (21) ser (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) pessoal (13) quotidiano (13) razão (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) abstração (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) viver (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) noite (7) poetas (7) refletir (7) reflexao (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) sentir (6) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) dia (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)