setembro 26, 2021

Olha nos olhos no desespero

 


Nós somos como cães,

E talvez não se atentarmos no futuro assim renovado,

Disposto de forma deficiente como se fosse um osso,

Inalcançável no contexto de um universo reduzido,...


E depois há tantas e tantas histórias contadas,

Como se nós fossemos o velhote sem nada a perder,

Que olha nos olhos no desespero e nada,

Encontra dentro do peito para sequer partilhar um momento que se possa considerar de medo,...


Somos como cães,

De facto,

Na medida em que nada disto é verdade,

E só o que temos é o dorso para dar a quem passa 

setembro 25, 2021

Pares de dedos esquálidos

 


Este foi o tempo que libertaste devagarinho,

Por entre pares de dedos esquálidos,

Mas ainda assim desafiantes,... 


Assistiamos ao desafio de emoções,

Pensamentos reduzidos ao tamanho de pequenos bichos de conta,

Que se esgueiravam pelas frestas de um chão desvirginado pelo Estio,...


Modelavas a razão própria das desilusões,

Os despojos dos dias desaproveitados,...


Talvez fosse um talento só teu,

Tratar assim o tempo,

Eu esfumava as emoções pelos olhos ao observar-te

setembro 24, 2021

A súmula

 


Entretanto,

Deste-lhe uma nova perspetiva de vida,

Uma luz de presença constante chamada razão,

Duas vezes o que alguma vez tinha tido de memórias boas,

E uma redução específica de frases,...


Estava reduzida ao mínimo indispensável,

À capacidade de dizer fraco,

Sem que alguma vez tivesse percebido o que forte significava

setembro 23, 2021

Letras ilusórias

 


A forma como rediges memórias,

Como atabalhoadamente te refugias nos verbos sem contexto,

Nas letras ilusórias,

Até em versos desprovidos de entoação,

Atesta que a humidade já assentou,...


Acabou aquele inverno longo e de caminhos sinuosos,

E não há mais dias sem horas definidas,...


Estarás do lado deles,

Dos que me querem mal,

Daqueles que vejo esperando que os meus olhos não se cravem nos deles,...


Para abreviar o resto de ilusão,

Um fio de água enche este copo repleto de falhas,

Que me farão sangrar 

setembro 22, 2021

Interrogação mal desenhada

 

Eu desejo a sorte de uma interrogação mal desenhada,

Das frases inválidas que se somam à negação,

Em todos os minutos,

Em cada momento que aguardo o entardecer na mesma esquina triste e recôndita,

Espero-me sempre menos infiel,...


Mais certo de que a percepção de um erro,

Custa tanto mas tanto desejo,

Que nos encontramos secos e desenganados de um futuro diferente 

setembro 21, 2021

Daqui a minutos voltamos à nossa grelha normal

 Um vento,

Uma só perversão,

O que me concedeste nos bolsos deste Inverno,

Sabendo que debruçado sobre um desenho de tragédia,

Não sobra qualquer abstração estrangeira,

Que se consiga legendar a tempo de ser uma manhã,

Que possamos desejar chamar de novo nossa,...


Não é mais que um trecho embriagado de reconversão poética,

O que aqui te deixo de soslaio,

Nesta bandeja tosca,... 


Melhor não sei fazer,

A não ser que haja outono nos recônditos miúdos que saem da velhice,

Daquilo que já tivemos de devoção contida 

Anões de Klimt

 


Eu conseguia jogar com a realidade,

Imaginar anões de klimt a manobrarem um pôr do sol inquieto,

Quase medieval de tantas interrogações que guardava,

E ao mesmo tempo perguntar ao som abafado do vazio,

De quantas vozes somos nós herdeiros,...


E enquanto isso há um sabor de latinidade,

Neste ar aflito dos dias travestidos

setembro 20, 2021

Engolia ódios

 


Era um rumor que se avolumava em ondas de destruição,

Engolia ódios,

Terra desfeita e anormalidades que a poesia  extraía da poeira,

Caminhava pelas frestas do tempo e da ausência de espaço,... 


E com tudo ausentava do rosto das pessoas,

O pânico,

A ilusão de momentos que a luz não mais ia trazer 

setembro 19, 2021

A discorrência da luz


 A luz virá,

e será escrita como aqui mostro,

de letras grandes, 

e sem pontuação já que tudo corre

sem ar quando queremos,

afirmar uma posição,...


e não será a morte,

nem terá formas disformes

de aberração,

ela virá inconsequente,

com pernas bambas,

iludida por filosofias que já não existem,

mas fica sem resposta,

com um abismo inofensivo pelo meio

setembro 18, 2021

Avental


 

Paixão,

a cara semi-limpa com o avental

malcheiroso,

cheio de nódoas de sangue pisado

dos animais a quem se tirou a vida,...


um beijo na própria consciência,

o repisar de tantas vezes que se foi

feliz,

com aquela mão,

uma pele áspera num rosto

sem idade,

e o principal poema tosco,

hemafrodita até,

mas que subia pelas veias acima,..


e depois a noite,

o eterno impropério

da noite,

como quem espera pela eternidade

recém-nascida

Etiquetas

Poesia (1107) Vida (869) Surreal (423) poemas (388) poema (356) escrita (274) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (191) pensar (161) Escrever (133) abstrato (132) Textos (116) introspeção (87) Portugal (85) Sem Título (84) poesias (81) prosa (80) Sonhos (78) autores (78) Um dia gostava de saber escrever assim (75) imagem (75) Reflexão (72) youtube (69) musica (64) Contos (61) Tempo (59) Absurdo (57) Literatura (56) Amor (54) Passado (54) video (52) Sórdido (51) Política (45) tristeza (42) imagens (35) Ironia (34) pensamento (34) foto (33) História (30) gif (30) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) texto (27) Humor (25) cinema (24) Música (22) rotina (22) Dedicatória (21) Memória (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) Comiseração (18) dúvida (17) existência (17) fotos (17) ser (17) Desejos (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) recordar (14) solidão (14) irreal (13) quotidiano (13) Inatingivel (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) razão (9) Mundo (8) Religião (8) autor (8) blogue (8) fotografia (8) sonhar (8) sonho (8) Natal (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) curtas (7) ilusão (7) pessoal (7) relacionamentos (7) saudade (7) sombrio (7) subjetivo (7) surrealista (7) viver (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) noite (6) qualquer coisa (6) Dia Mundial da Poesia (5) Viagens (5) aniversario (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) prosa poética (5) reflexao (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) meditação (4) poetar (4) poetas (4) sentir (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) abstração (3) aniversário (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) dia (3) eu (3) evento (3) familia (3) fim (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) realidade (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) erotismo (2) fado (2) falhanço (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) lembrar (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) racional (2) refletir (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alienação (1) animado (1) anseio (1) ansiedade (1) antiguidade (1) análise (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) dissertar (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) ler (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) recear (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)