janeiro 28, 2022

Diferente dos restantes


era um perfil de Direito,

de homem de letras,

reto nas decisões,

imperecível nos frutos dos seus amores,

como se da antiga Grécia lhe brotasse a coerência,

o vento que anuncia o final do Outono,...


passeava aos gomos de laranja,

e fazia-o com um cheiro ácido de arrependimento,

anulado pela pouca respiração que desperdiçava

no ar poluído de todos os dias,...


e havia um sinal,

uma inflexão da rotina,

que o caraterizava como diferente dos restantes,...


era assexuado,

não gostava do compromisso

janeiro 27, 2022

Quinta-feira rasgada


Escrevo-o porque ao sol,

As dores bebem-se antes até de pensarmos em comer,

Escrevo-o porque dos meus olhos não é suficiente a demasia do que devo,

Escrevo-o aos gritos,

Sem pesares de insultos por proferir,

Roupas por rasgar,

Até pessoas que fiquem por insultar,

Debaixo do sultão amoroso das letras lamechas e tristes,...


Escrevo-o porque te avisei,

Vou deixar de escrever,

E há um triste solitário que foi degolado no próprio silêncio 

Dúvidas fundadas

 


Eu não vi o tipo de coisas sexuais,

Que se agarravam à melanina da pele como o sol,

Em desespero de causa,...


Não vi mas arrependo-me,

Hoje poderia ser um homem que escreve nas margens de uma folha de caderno,

E se apodera de um argumento da mesma forma,

Que os revolucionários quiseram a bastilha,...


Mas há aquelas situações,

Como o homem que se diz susceptível à beleza,

E no dia seguinte morre,

Ainda hoje não as entendo 

janeiro 26, 2022

Recôndita missão

Ia perguntar-te como o sol se põe,

Se a noite não tem nem sequer um sitio para dormir,
Nem longe nem perto para chegar além do local onde as pessoas normalmente dizem que gostam umas das outras,
E depois partem para nunca mais voltarem,...

Ia querer saber se estarias disposta a assinalar o xis nas costas da minha mão,
Sabendo que das minhas resiliências já nada resta,
E hoje mesmo uma inofensiva pessoa parou junto de mim,
E me cuspiu uma recôndita missão para que o resto da minha vida,
Valha mais do que o simples,
Os simples encostos de cabeça que faziam terminar o que foram as nossas noites,
Das quais hoje já só restam as pedrinhas do sorriso anulado 



janeiro 25, 2022

Strand of Oaks V

 a intenção de deixar de caber no dedo,

que aciona o manípulo da loucura,

nunca é nossa,...


há pedras onde tropeçamos,

e na rua ninguém ampara a nossa queda,

levantamo-nos,

com o corpo a esvaziar de ar,

e mesmo assim continuamos,...


com um som estridente a sair

das ranhuras das articulações,

e lá em cima,

onde está o nosso destino,

a intenção de ficar nunca é nossa,

talvez nem seja de ninguém





janeiro 24, 2022

Strand of Oaks IV


 Ao menos que nasça como a contemplação de todas

as coisas,

os gineceus mortos em cada mulher,

a antropafagia dos machos desesperados,

tudo que se some numa nuvem inóspita,

irrefletida,...


como se a soma dos minutos

perdidos,

perdesse o isolamento,

a irreflexão,...


há novas caras,

nas personagens desta história

janeiro 23, 2022

Strand of Oaks III


sessenta e tal horas,

não sei nem interessa,

há um vento,

dissecado em parcelas que renovam

o cheiro de adeus,

na roupa estendida,

os teus equívocos em cada renovada

ilusão do meu caminho,...


de todas,

as asas incertas dos meus pássaros,

os invisíveis seres que batiam

asas,

para me livrar de sombras incompreendidas,...


sessenta e tal horas,

mal contadas,

que se renovam em meio suspiro

incompreendido


janeiro 22, 2022

Strand of Oaks II

a vida já não é a mesma,

come-se à mesa sem que a luz

namore com os nossos espíritos,

nos espaços que haviam entre as

 sombras,

repousa agora a velhice dos tempos

modernos,,,,


e lá ao fundo,

onde antes a luz se acomodava para

dormir,

não está nada,...


sim,

obrigam-nos a conviver com a ausência de ser,

porque a vida já não é a mesma,

há um fruto da dúvida que nos,

corrói a carne

janeiro 21, 2022

Strand of Oaks I

de modo diferente,
com um frio que impregna
a pele,
e desconecta os ossos,
as pessoas estendiam-se
como lençóis enegrecidos,
nos varais de décadas sumidas,...

havia a resolução certa de
 um amor por cumprir,
duas batidas na mesma
porta de sempre,
que já nada tinha no ébrio da escuridão,....

e porventura a loucura,
vestida de noiva a passear-se
por ruas sem nome,
mas com data de funeral sumido,
a pulsar debaixo de cada passo,...

e como acaba este livro,
ninguém saberá,
mas os montes de seios
fartos no horizonte,
poderão adivinhar

janeiro 20, 2022

Hora de almoço chuvosa

 


Não é algo de que se tenha a certeza, 

A aproximação é feita a custo,... 


Sei que a água começa por saber mal, 

E a razão do ódio, 

Fica expressa na forma como o velhote dá os murros no ar, 

Sempre enviesados, 

Sem um padrão de espectacularidade,... 


Afinal, 

Por aqui, 

Não há ansiedade que caiba em bolsos de calças, 

E um conjunto de dúvidas irracionais a que chamamos religião,

Que se apresenta assim,

Tem um proselitismo jovial,...


Não sei se me escapou algo nesta Eucaristia, 

De hora de almoço chuvosa

Etiquetas

Poesia (1148) Vida (938) Surreal (439) poemas (416) poema (404) escrita (301) Pensamentos (212) pensar (197) Homem (194) Introspecção (192) Escrever (166) abstrato (139) Textos (116) poesias (93) introspeção (89) Portugal (86) Sem Título (84) Reflexão (83) prosa (83) autores (80) imagem (80) Sonhos (78) Um dia gostava de saber escrever assim (75) youtube (69) musica (66) Contos (61) Tempo (60) Absurdo (57) Passado (57) Literatura (56) Amor (55) video (52) Sórdido (51) Política (45) tristeza (42) imagens (36) Ironia (34) foto (34) pensamento (34) texto (32) História (31) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (24) Dedicatória (22) Música (22) Memória (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) ser (19) Comiseração (18) dúvida (18) existência (17) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) recordar (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) quotidiano (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) razão (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) pessoal (11) presente (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) fotografia (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) Suspense (7) abstração (7) coisas estúpidas (7) curtas (7) ilusão (7) reflexao (7) relacionamentos (7) saudade (7) sombrio (7) subjetivo (7) viver (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) noite (6) qualquer coisa (6) sentir (6) Dia Mundial da Poesia (5) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) poetas (5) politica (5) prosa poética (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) meditação (4) poetar (4) racional (4) refletir (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) dia (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) realidade (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) erotismo (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alienação (1) animado (1) anseio (1) ansiedade (1) antiguidade (1) análise (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) dissertar (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)