29.1.20

Frase

vejo no ar o que previa,
a líbido sem controlo,
a desenhar a frase que
não conseguia imaginar,
redondas posições de conformismo,
e conseguindo adiantar o
tempo ao imobilismo,
desfaço-me da doença que sei
que isto é,...

sinto-me como que roendo
ossos antigos,
tenha deixado de saber
de mim há muito tempo


28.1.20

....and now, something from the old country


Espero por ti

eu espero por ti,
se quiseres,
não olho sequer para
mais nenhuma hesitação,
nem espero que os dias
acabem para me reafirmar,
sem bases concretas,...

espero por ti,
porque julgo ser o melhor,
nem pondero alternativas
que me soem bem,
na declamação,
espero o tempo que for
necessário,
para que nada neste
texto mal escrito,
fique por explicar,....

que existam personagens,
para que valha a pena
esperar por ti,
porque senão,
mais um punhado de areia
não valerá a desilusão

freshmoviequotes:
“Arrival (2016)
”
freshmoviequotes:
“Arrival (2016)
”


Tirado daqui


27.1.20

La haine

não me interessa
mais terminar poemas,
nem que as tardes
sejam para ti reflexos,
em fundos de copo,
ao que me lembro a escrita
não vale nada,
detesto sentir que
fumar não serve para nada,
e andar é inconsequente,
e que até há ruas sem fim,
porque nós assim decidimos,.....

 ódio em francês,
la haine,
soa tão melhor
do que qualquer poema,...

encaixo o melhor Brel que
consigo,
e arrendondo a rua à
procura do que ela
me possa enxovalhar,
do que ela tenha
para me reduzir a pó


26.1.20

Vida a passar

tudo se passava à
nossa frente,
o tempo,
as questões sem
resolução à luz da razão
 de qualquer um,
até os livros que nunca lemos,
e pensávamos compreender,
até aparecer aquele poema
sem cheiro,
mas com responsabilidade,
sentido de compromisso,....

as coisas continuavam
a passar à nossa frente,
mas depois de nos impressionarmos,
 de acreditarmos que não
temos mãos mais para
aceitar a separação,
alindávamos a perceção,
de que nada mais
será como dantes


25.1.20

I wish i was a cloud



Não quis

ontem não me apeteceu escrever,
nem rezar,
nem sequer fazer o que me entendias
como habitual,
anotei meramente o tempo em pequenas
reticências,
e sentei-me debruçado na tentativa
vã de comer a lonjura,
que me acorria em ti,...

não consegui


24.1.20

Just because

Lutas

Nenhuma razão,
Nada de flores,
Somente um riso,
Desonra na partida quando no horizonte sobravam os desenhos dos sítios,
O fumo do desalento,
Sem que a mais imprecisa indecisão de ti ficasse para trás ...

E comigo não me restam mesmo as lutas,
Ficaram-me as precisas razões para um novo recomeço

23.1.20

Atual emoção

Além de não ter impressão,
não tenho opinião,
não acho nada sobre nada,....

nem penso em amor,
em resoluções inconstantes,
só me preocupa a adoração,
resvalar para a assombração,
pensar de todos os deuses,
o mesmo que não me desejo,
nem ignoro


22.1.20

Vozes

era de dentro que vinham as vozes,
não arrumava as frases com
bicho,
nem as indecências que,
me deixavas à porta,
cada dia pesava-me mais
que o anterior,
talvez com este poema,
que não consigo convenientemente,
parar de escrever,
as faces visíveis do
silêncio,
se compartimentem na minha
cabeça,...

até isso acontecer,
é passo a passo,
tal como palavras,
que enfrento o que não mais
consigo descrever,
e com isto as vozes,
as mesmas vozes que dispo
como corpos sem dono,
continuam a sentar-se a meu
lado



21.1.20

Assobio

Um assobio podia,
Assim,
Pelo menos aquele assobio,
Entrar numa notícia sobre um crime,
Como se precipitasse o final inesperado,
E depois fizesse um zumbido nas cabeças das pessoas,...

Deixei de pensar sobre isso,
Agora,
E quando parei de ler o melhor poema,
Pelo menos o mais improvável de todos,
Friso o meu anonimato,
E o despacho que isso dá à habitual solidão que exalo

20.1.20

Nome de esteta

Eu acho que queria de total forma,
Mas mesmo que fosse algo que fizesse o dia acabar,
E interrompesse esta madrugada em que me acho dentro de ti,
Para que os momentos perdessem a cor que me fazem enoja-los,
E o tempo passasse a ser um imprevisto descalço,
Igual a tantas fruicoes sem nome a que perdemos vontade de nomear,...

Para me perceber assim,
Com nome de esteta e destino de escritor anónimo,
Deixo-te este poema sem esferas,
E inodoro,
O mesmo com que durmo toscamente,
Para te sentir ao meu lado quando não estás

19.1.20

Tracejado dos dias

Qual foi a coisa mais perigosa que já fizeste,
Eu quis um dia deslizar pelas minhas ideias,
Até ficar pendurado na reviravolta dias a fio,
E o ar construir em mim uma barreira invisível que não servisse,
Nem para dividir o espaço do tempo,...

Até me responderes,
Sento-me no tracejado dos dias,
À espera que decidas



18.1.20

Perceção

como confundir a noção de que
esta diferença entre,
destruição,
e a perceção do destino,
pode ser igual a tantos outros equívocos,
a tantos outros sorrisos antes
da morte,...

lembrei-me de que dizer isto,
agora que o dia acabou,
e cada um tem as suas coisas
em sítios diferentes,
pudesse levar a diferentes
ideias dos seres,
das premissas de um novo
começo,...

amo-me agora de forma
diferente,
talvez nada disto faça sentido,
também não me lembro
de uma perceção diferente,
do ser,
além desta


Etiquetas

Poesia (891) Vida (579) Surreal (326) poemas (254) Pensamentos (201) Introspecção (186) Homem (180) Textos (105) escrita (93) poema (85) Sem Título (84) Portugal (79) Sonhos (77) abstrato (76) prosa (71) Contos (60) imagem (60) youtube (57) Reflexão (56) musica (56) Sórdido (51) Um dia gostava de saber escrever assim (51) Literatura (50) Tempo (50) introspeção (50) video (49) Amor (46) poesias (46) Escrever (43) Política (39) autores (38) Absurdo (37) Passado (37) Ironia (34) tristeza (34) pensar (31) foto (28) imagens (27) pensamento (26) Humor (25) Recordações (25) Fantasia (24) História (23) introspecao (22) Morte (20) gif (19) Desilusão (18) rotina (18) Ficção (17) Memória (17) desespero (17) texto (17) Regresso (15) cinema (14) Música (13) lisboa (13) solidão (13) Dedicatória (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) quotidiano (12) Menina perfeita (11) dúvida (11) Comiseração (10) Rimas (10) escritores (10) fotos (10) ideias (10) nonsense (10) 'Depois de almoço' (9) existência (9) giphy (9) Mundo (8) Vídeos (8) blogue (8) escritaautomática (8) irreal (8) presente (8) Divagações (7) Inatingivel (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) real (7) sentimentos (7) sombrio (7) videos (7) Discurso de (6) Diálogo (6) curtas (6) desnorte (6) fotografia (6) futuro (6) gatos (6) ilusão (6) noite (6) ser (6) sonhar (6) Homenagem (5) Natal (5) ciidade (5) comédia (5) datas (5) depressão (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) luxos importados (5) paginas partilhadas (5) politica (5) qualquer coisa (5) recordar (5) relacionamentos (5) sonho (5) trabalho (5) vídeo (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) Dia Mundial da Poesia (4) Viagens (4) amargo (4) animais (4) belo (4) concursos (4) imaginário (4) interrogação (4) intervenção (4) língua (4) meditação (4) razão (4) reflexao (4) subjectividade (4) sujeito (4) surrealista (4) terra (4) Gótico (3) Religião (3) Vício (3) adeus (3) aniversário (3) autor (3) beleza (3) breve (3) cidade (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conversas (3) crossover (3) curtos (3) céu (3) dia (3) fim (3) linguagem (3) livros (3) medo (3) mulher (3) obscuro (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) prosa poética (3) páginas partilhadas (3) saudade (3) sem sentido (3) social (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Desejos (2) Fernando pessoa (2) Poemas de enternecer (2) Poemas música (2) angustia (2) aniversario (2) ao calhas (2) arte (2) auto-conhecimento (2) conto (2) decepção (2) desconexo (2) descrição (2) desejo (2) destino (2) evento (2) fado (2) falhanço (2) família (2) filmes (2) hate myself (2) ideia (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogos de palavras (2) lamento (2) lamentos (2) leituras (2) liberdade (2) luta (2) manhã (2) mensagem (2) monólogo (2) outono (2) parvoíces (2) perda (2) pessoal (2) poetas (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) sem tema (2) sentimento (2) sexo (2) silêncio (2) subjetividade (2) viver (2) Africa (1) Denúncia (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia abstrato (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Tumblr (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) alegria (1) alienação (1) animado (1) armagedão (1) artistas (1) atualidade (1) blackadder (1) brincadeira (1) campo (1) canto (1) cartas (1) coletâneas (1) comida (1) condição humana (1) conjetura (1) contribuições (1) crónica (1) curto (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) discurso (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escrita criativa (1) espera (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) eu (1) falar (1) familia (1) fatalismo (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) guerra (1) haiku (1) hesitações (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) ilusao (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) lembrança (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) link (1) links (1) livre (1) loucura (1) mario viegas (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) participações (1) passeio (1) pensáveis (1) pessoas (1) pictures (1) pobreza (1) português (1) praia (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) rap (1) realidade (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) ridiculo (1) risco (1) riso (1) ruído (1) sem titulo (1) sentidos (1) simples (1) sociedade (1) som (1) statement (1) subjetivo (1) televisão (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) violência (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1)