segunda-feira, agosto 31, 2020

Polite

Obrigado pela presença,
Os pés bem assentes em ramos que se quebram,
Suficientes seriam para anotarmos esta experiência,
Fazermos dela o que ela nunca foi,
Mas poderá vir a ser,...

Se bem me lembro,
Dizias que todos nós já tínhamos experimentado a resolução do ser,
Aquele passo inacreditável e sem cores,
Retalhado e silencioso,
Que não requer mais fibra para que nos acolhamos no seu silêncio,...

Por isso, 
De novo agradecido pela descrição de alegria que trouxeste,
Adormeci sobre ela sem me intimidar 





domingo, agosto 30, 2020

Sunday morning laziness

 


Incautolândia


Um céu a brilhar sobre a cidade que não temia, não decifrava procissões na pele dos incautos,.... pequenos focos de chuva sem razão de ser, com as abas do chapéu recolhidos, na cabeça dos desprovidos de tino,... haveria razões para tudo parar, nada envolver e nada descobrir, mas o tempo faltava-se a si próprio,... não iria sobrar

sábado, agosto 29, 2020

Saturday afternoon's chill


 

Poema de não fazer nada


Poema de não fazer nada,
A ponto de defecar para um canto,
Arranjar estratégias de desenho sem
Traço indiscutível,...

Poema sequer de adverbial prepotência,
Tanta coisa por arranjar,
E um refúgio do vil das palavras,
O mesmo que recitas,
Em tom menor de um som esquecido,...

Se ser inútil é poema,
Que o mesmo derrame o leite quanto baste,
Das mamas das mamãs de circunstância,
Com aprumo,
Dando analogias para a vulgaridade sobressair até ao zênite,...

Poema de não fazer nada,
Acrescento o céu da boca furado,
Se me quiseres desejar o pior

sexta-feira, agosto 28, 2020

Poema dissecado

Gostei da imagem de tranquilidade que o poema transparece,
Dois homens a dirimirem opiniões políticas divergentes,
Dois copos de vinho mal servidos numa mesa suja e gasta,
Uma criança de olhar longínquo,
Comprometida com algo e que assume um silêncio assustador,...

Conseguiste uma catarse específica de qualquer coisa,
A que um bom título poderá emprestar cheiro de fábula,...

Configuro a minha leitura com este meu preconceito com a realidade,
Não aprecio mais por me sentir descomprometido com a insuficiência da vida em respostas


quinta-feira, agosto 27, 2020

Sadness

 

O cardo


o cardo disse olá,
salta de janelão em janelão,
até que a luz contigo brinque,
e desenhe círculos 
sem nome que,
juntos,
formem uma aliança de vontades
concentrada,
desejada por todos,...

e o cardo que siga depois,
para a revolta dos sabores,
fica lá à frente,
onde não espero que ninguém
enlace as mãos em estrela,
de modo a que se percam só
as desilusões,
e a felicidade encastrada nos bancos
sem cor do jardim,
se extraia a tempo,
e dê para a sopa primordial de que
toda a gente fala,
mas ninguém sabe descrever com
as palavras certas,....

vá lá,
espero pelo cardo aqui,
diz-lhe que sou alegre,
mas conformado com
a dor que me faz coxear
enquanto choro

quarta-feira, agosto 26, 2020

Solitude fortress

Na deslocação de todos os ares,
Perdiam-se intervalos,
Como se te esperasse sempre que o tempo nos pedia para fugir,...

Ao menos uma vez que entendessemos o ruído,
A sorte que se perde quando se quer lamentos,
por entre a latitude da solidão,...

E tudo se resume a estarmos sentados,
Frente a frente,
Sem que respirar seja um entrave ao simples,
Ato de gostar,...

E tudo custaria mais se houvesse uma casa de histórias,
Que quando as portas se fechassem,
Nada significasse
além de um virar
 de página para o
passado 




O Inatingivel hoje dá duas seguidas...

 presumo que por o 

jantar vir frio, 

e já nem sequer se 

tolerar a água, 

que não serei bem 

vindo,... 


não há sol, 

o ar pesa mas 

que se lixe, 

desde que não mate 

o que sinto no fundo 

da garganta,...


e não és tu, 

pelo menos o que

 me deixavas de salgado, 

com um rasto apócrifo 

a escorrer pela boca, 

não, 

tu não eras,.... 

de ti guardo o que 

esmiuço, 

o que detesto, 

o que me assombra,... 


tantas palavras complicadas, 

conceitos por desenhar, 

e eu já nem estou 

neste sítio,... 


o jantar veio frio



terça-feira, agosto 25, 2020

Um dia gostava de saber escrever assim

 

mia couto / danos e enganos



Aquele que acredita ter visto o mundo,
não aprendeu a escutar-se no vento.

Aquele que se deitou na terra,
vestiu sonhos como se fossem vidas
e tudo o mais fossem regressos.

Mas aquele que tocou o fruto
provou a inicial doçura do tempo.

E quando tombou
de si mesmo se fez semente.




mia couto
tradutor de chuvas
caminho
2013

Supersticioso

O homem é esconso,
Insuportável,
Não se contém em dois ou três versos,
Debate-se com frio em plena evasão das reservas energéticas de um país,
Queixa-se de dores nos pulsos,
E nem escrever sabe,...

Derrota, derrota,
Clama o fim dos tempos,
E o dia só agora amanheceu,
O homem flui como a depressão em dia de morte,
Odeia-se,
Parte todos os espelhos da casa,
E pinta o corpo com o sangue que lhe vai restando


segunda-feira, agosto 24, 2020

Uivos incompreendidos

pede-se a extrema unção,
os desejos repartidos
pela mesa de espera,
fazem anotar no rodapé
a certeza de querer sair,....

de ir para a luz,
como se a nossa extensão
fossem as árvores mortas,
os uivos incompreendidos
que só com imprecisões retratamos,
desdizemos,
amaldiçoamos e escondemos
nos bolsos,...

sem a perfeita noção
de escárnio,
tudo roda
sem que
perceba onde
 estou



domingo, agosto 23, 2020

Indecisão

Tu não és o primeiro a desistir,
De vez em quando a verdade dá duas voltas atrás,
Uma para o lado,
Tudo para estagnar com a mentira ao lado, ...

Nao me sentes como felicidade,
Nem como arrependimento,
Sentes-me como a profissão do desejo,
A luz do indefinido,...

Se calhar não sou tudo isso,
Mas dói a incerteza de poder ser


sábado, agosto 22, 2020

Descrédito

comprei pão,
conduto suficiente para
a conversa,
duas cervejas chegavam,
e caminhei até ao local
do encontro,
sabia que seriam homens 
educados,
motivacionais até,
sentei-me no terreiro,
não tinha fome, 
e pensei na região mais fria
do mundo,
ia discordar até não poder mais,
por isso os botões de punho tornavam-se
desnecessários,...

quando chegaram os convivas,
o ar passava em mim como 
uma manhã de outono,
optei por abdicar do argumento,
e levantar-me dando o flanco,....

haveriam novas oportunidades
de descrédito como esta


sexta-feira, agosto 21, 2020

Introspection

Partindo de um pressuposto errado,
E defeituoso,
Uma parte de mim já não terá recuperação,
Afundado em contradições,
Desejos mal estruturados,
Fiz-me projeto de teorias inovadoras de clínicos sem nome,
Que me arremessaram contra todas as paredes deste caminho,...

Está a chegar ao fim este mês em que desenhei uma fraca e inodora rota de mim próprio,
Agora te digo por linhas trôpegas,
Saber que já não tinha remédio,
Estava desfiado como tapete velho em casa vazia,
E nem sabia,
Nem cheirava,
Agora sem percurso,
Que te reste o quente de carregar o meu facho sem chama




quinta-feira, agosto 20, 2020

Anacronia conjunta


Muito para além do desespero,
Das notas de rodapé filósofadas, 
Estamos anacrónicos em conjunto, 
Em sintonia apenas com o vento,... 

Fizeram de nós os planos excedentes de um filme de principiante, 
Com laivos de teste inocente às provações humanas,... 

Incapazes de resistir, 
Aninhamo-nos perto de nós,
E vamos ficando até o tempo nos dissecar,
Deixando entranhas expostas pelo prazer simples de experimentar o mal,.. 

Ao que soubermos resistir, 
Virá uma luz que anula a frase, 
Deixando a obrigação de repetir a provação 

quarta-feira, agosto 19, 2020

Fonética


entrar,
frases de autores 
recém-consagrados, 
escritas com a pontuação 
englobada no som, 
e a lamúria 
oculta pela adjetivação,.... 

duas falhas neste plano, 
uma travestida de metáfora, 
dizia ter água para 
concluir uma mudança de sexo, 
a outra anónima, 
sem cor, 
ou princípios políticos, 
afrontada apenas pela solidão,.... 

à saída, 
um fonema indissociável 
da nudez,
com ela a vaguear 
assombrosa por ruas 
 sem nome, 
e prosélitos sem idade

terça-feira, agosto 18, 2020

Ser aumentado


Confio na luz do meu medo,
Não repouso em ti quando esse desejo falha,
Confio em tudo o mais que comece sem letras,
Apenas com intenções mal expressas a alta velocidade,
Confio na vontade de confiar que fica por consubstanciar,
Não desejo que a confiança vá além disto,
Até porque não confio em precisas conjugações do verbo desejar,
Das que na água se afogam no preto da vontade madrasta de confiar,...

Confio que estejas em tudo à minha volta para que iluda o ser aumentado,
As luzes da maioria dos rebentos que desconheço,
Mas de que me alimento para quando mais preciso de porfiar,...

Confio que tudo se termine no momento em que lida esta modorra de solidão,
Anseies por não mais leres este meu lado confiável 

segunda-feira, agosto 17, 2020

Filósofo e a razão

Há o filósofo,
Mal ou bem permite que o homem se assemelhe ao fim em si próprio,
Sem que nunca afete a razão,...

Há um professor falhado,
Com o bolbo raquidiano imóvel,...

Não se apropria ninguém deste cenário,
Porque tem fronteiras,
A filosofia é imutável mas os seus interpretes não são intransponíveis,...

E ela disse ter feito amor com os dois,
Sem explicar os contornos,
Só o assumindo,...

Nenhuma teoria se sobrepõe à prática,
Apenas a respiração intermitente poderá abrir campo à mentira


domingo, agosto 16, 2020

Olho de himmler


quero falar deste filme,
não como se a eugenia fosse
uma obrigação,
mas sim porque o que nos
difere da falta de razão,
é o cuidado com o pormenor,
o relato calmo das experiências como
algo falível,
e nunca como inevitabilidades,...

é uma porção de tempo em que
faz bem perceber que
as pessoas são diferentes,
não rasurar a verosimilhança das
características de todos nós,
e acabar tudo com o sorriso possível,...

agora que discutimos cinema,
poderemos falar se calhar das efervescências de amor
que deixámos por lavar,
desta noite de tormento

sábado, agosto 15, 2020

Alimentix

Quando alimentas algo terrível,
A sede vai tomar o lugar do desespero,
As ações compreensíveis da mesma rotina de ontem,
Daquilo que disseste querer muito ainda há mais tempo,
Farão as vezes do conformismo,
Do sentimento de que há luz por entre os dedos que te parecem agora abjetos



sexta-feira, agosto 14, 2020

A esta hora

a esta hora, não importa a forma como as conclusões surgem.
Se é a pele a servir-te de justificação ao falhanço. Ou, com outros olhos, se amaina a perda de juventude com um beijo. Não se cumpre o resolvido, desnutrindo o argumento.... Enfranquecendo a palavra, em detrimento do sexo sem cheiro, sem idade. Mas com remorso.
 Anda à frente deste frio. A noite não nos conhece, e mesmo assim diz-te, em tantas línguas diferentes, que o silêncio afirma o que tu lhe pedes. Mas te tira o chão quando tem de ser. 
a esta hora, escreve o que tiveres de descrever tremulamente. E que fique por aí. já não é hora para mais.


quinta-feira, agosto 13, 2020

Língua em agonia

Eles também me puseram a pensar de longe,
Não querendo parar com a repetição de ideias,
Nem com argumentos tóxicos escritos a carvão barato de uma loja de pobres,
Forçado me sentia,
A escorrer pela face,
Desordens,
Laços compreensivos da língua em agonia que da minha boca gangrenava,...

Ao fim de tanto luar,
Crateras nos meus dedos de tanto esforço inopinado de escrita,
Tornei-me assintomatico,
Doente sem sombra,
Atenuado pelo verso,
Que desnudado me reergui do fatal,
Sem olhar para trás com a agonia a doer


quarta-feira, agosto 12, 2020

Poema em pausa

Esqueci-me como se escrevem
Textos,
(pausa),
   Resignação,
Torcido o proselitismo de metaforas,
São agora mais questões de efectividade,
  (pausa),...

Por isso que nos protejamos,
E os que choram,
Desdigam a métrica dos adeus,...

Não me livro desta retórica,
Ainda que não me
Recorde mais de rimas
Sem isso,
Não haverá mais regressos à rima facil



terça-feira, agosto 11, 2020

Indecências na fala

Só de sair a rua,
O aproximar das frases engloba o que não se soletra,
E fica apenas implícito nas indecências semânticas das pessoas,...

Atrai-me ver como de um facto se extraem consequências para tantas vidas,
E a rotina de repente encardece,
Fica vulgar,
Com as pessoas a ansiar por libertadores que da mudez façam teorias sociais,
À prova de bala,....

Nada disto encontro na escrita,
Por isso tenho para mim que os cobardes dão bons romancistas,
Expelem o frémito possível de si próprios 

segunda-feira, agosto 10, 2020

Experiência social

Aproximavam-se das pessoas como a luz,
Desenhavam pequenas moedas no chão,
Qualquer sociedade que se preze tinha regras,
E havia que mantê-las,...

Estabeleceram-se pequenas colónias de dúvidas naquele sítio,
Com transações em que tu e eu nem existiamos,
Apenas passávamos por entre os intervalos dos registos da morte,
Prosseguindo com tudo sem que do nada esperassemos qualquer coisa,...

Agora fazemos lustro com o que resta,
Estes são desígnios que aprendemos a aceitar,
Fruindo sem adormecer perante o óbvio


domingo, agosto 09, 2020

Prever o mal


parecia-me um beco sem saída,
uma situação menos possível de
se esclarecer com uma lei,
mas sim com uma infração bem
pensada,
a dose certa de respeito com as 
diferenças,...

não me competia ser usufrutuário
do desprezo,
muito menos da largura do respeito
pelo próximo,... 

aqui me subscrevo desta forma como 
avaliador do bom senso,
sem querer refletir de mais sobre a proximidade
com a desgraça que este caso,
podia representar

sábado, agosto 08, 2020

Exegese

terás de me matar
de novo,
se quiseres um
lugar de escrita,
duas linhas
imprescindíveis que façam sentido,
para que não me perca
a respirar por cima da minha subida aos céus,....

terás que renovar o
esforço,
fazer de mim
um troféu sem valor,
e assim a redação
de um final credível,
com plena aceitação
da escassa condição finda dos imperfeitos, será palpável,
muito mais que um verso inutilizado,....

pedir que me mates,
sim,
era a frase que faltava
neste raciocínio,
com pouca lama na
engrenagem de todos os dias


sexta-feira, agosto 07, 2020

Primado da pessoa humana

Assim como o que se pretende que seja discreto,
E acima de tudo anuido apenas pela presença,
Não fazia tencoes de descrever este dia como diferente dos outros,...

Havia dinheiro suficiente para comprar silêncio,
Armaduras antigas à porta do a antiquário da minha infância,
E tanta lama de conhecimento,
Livros rasgados por nenhuma ordem em especial,
Que atapetavam o caminho para fora daquela atafulhada desordem emocional,...

Pensei como a razão,
Enquadrado pelo primado da pessoa humana,
E sem a profundidade necessária,
A música levou-me até ao próximo contacto racional,
Um mundo de estátuas sem nomes,
E que me agravava a dor de infelicidade


quinta-feira, agosto 06, 2020

Sítios multicolores

Não é desenxabido acreditar que se nos despedaçarmos sem adulação,
Não haverá a mão invisível que nos desenha a carvão multicolor,
Restará eventualmente o amor próprio possível,
As presenças do passado como dança mórbida,
À espera de nos levar para sítios multicolores,
Sem luz,
Com uma penumbra chamada falsidade 

quarta-feira, agosto 05, 2020

Viajar sem propósito


quase todos os viajantes,
pelo menos os que falando sobre costumes,
relativizam a ausência de sentimentos
nos dias e dias em que só observam mato solto,...

acabam por descender de um estatuto
inalcançável,
passeiam-se pelo restolho da vulgaridade,
e quando o martírio das resoluções se
lhes afigura no destino,
escrevem cartas,
trocam voltas para nunca
mais regressarem ao passado,....

escrevo-o por já ter sido viajante,
e agora viver com a minha respiração agrilhoada
ao pó dos livros sobre destinos exóticos

terça-feira, agosto 04, 2020

Amarelecido

A alegria de não ser amarelecido,
Uma imprecisão,
A nota de fintar o tempo,
A acreditar que envelhecer vibra indefinidamente pela berma da estrada,
Como se a tristeza se equivalesse às estórias que o caminho conta,
E o horizonte esconde,...

Se me minimizasse dores de parto da solidão,
Acreditava  que me descobrias assim a verdade


segunda-feira, agosto 03, 2020

A criação gera revolta

Deves estar revoltado,
Enojado,
A ponto de perderes o condão de falar,
E os desejos alinhados como estrelas no segundo antes do fim dos tempos,...

Não te merecem o silêncio,
Desdizem-te como criador,
Da forma mais pueril que um sonho pode descrever,
E no entanto aqui estás,
Sensível,
Criador de pequenas histórias profundas,
E com os sentidos que o verbo possui como argumentos parcialmente consolidados,...

Mas mesmo assim permites que conversemos,
Como se das tuas mãos brotasse qualquer coisa que dói só de pensar,...

Ao fim de um dia não me ocorre nada mais que escrever,
Do que a luxúria comprometida


domingo, agosto 02, 2020

Tempo apascentado

Talvez no princípio tenha sido sem chuva,
A terra afonica,
Incapaz de gritar o pânico de assumir solidões presas,
De tantos e tantos anos,...

O desvendar do céu começou,
Grosso modo quando os velhos desataram a empacotar histórias de vidro,
Das que se tinham de preservar antes de se esgotarem num horário sem termo,
E cheio de planícies a retroceder no tempo,...

Não me importei que houvesse autores que aflorassem a falta de cheiro,
Disto que chamava envelhecimento apascentado,
Com tanta e tanta ovelha a insuflar a morte,
Regurgitando o alimento com que se brindavam de amor,...

Fim de projeto chamava-se aquela casa,
em que aprendi a falar em voz alta para a parede,
Só ali aprendi o dom de congelar cada momento,
Como efetivamente o último de todas as vivencias sem propósito


sábado, agosto 01, 2020

Auto de compaixão

Os limites consigo traçá-los,
as dúvidas não se colocam neste cenário,
até porque não saem do tracejado irregular
do papel,
ficam escritas num tom mortiço,
e ali as deixo,
procurando que não se enraizem de mais,....

tudo isto para explicar como
os meus dedos só servem para uma definição,
dois cenários,
e talvez tudo o que de mais me procurem
no incerto da manhã,...

não serei a proposta mais fiável de uma
teoria moribunda,
mas esforço-me,
ganho margens,
e se o que florescer restar no dealbar da noite,
tolero introspeções,..

de outra forma nunca



Etiquetas

Poesia (1223) Vida (1052) Surreal (479) poemas (471) poema (461) escrita (322) pensar (320) Pensamentos (212) Introspecção (195) Homem (194) Escrever (188) abstrato (153) poesias (150) Textos (117) prosa (96) Reflexão (94) introspeção (92) Portugal (86) autores (86) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (81) imagem (80) Sonhos (78) youtube (72) musica (68) Passado (65) Tempo (62) Contos (61) Amor (59) Absurdo (57) Literatura (57) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (43) texto (38) pensamento (37) imagens (36) Ironia (35) foto (35) História (34) gif (31) ser (31) introspecao (30) Fantasia (29) rotina (29) Desilusão (28) Recordações (28) razão (28) Humor (25) Música (25) cinema (25) recordar (25) Dedicatória (22) Ficção (21) Memória (21) desespero (21) Morte (20) Divagações (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) lisboa (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) pessoal (15) Tumblr (14) irreal (14) quotidiano (14) real (14) solidão (14) videos (14) Pelo Menos (12) Rimas (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) sujeito (12) Menina perfeita (11) abstração (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) refletir (11) viver (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) sonhar (9) sonho (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) noite (8) reflexao (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) surrealista (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) Viagens (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) poetas (7) sentir (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) aniversario (6) aniversário (6) cidade (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) pessoas (6) politica (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) arte (5) belo (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) ideia (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) crossover (4) curtos (4) dia (4) espera (4) familia (4) família (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) festas (3) filosofar (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) loucura (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) riso (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) viagem (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) efeméride (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofia (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) imaginar (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) internet (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) razao (2) revolta (2) ridículo (2) saudades (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) sociedade (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Ferias (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Porsia (1) Prosa cinema (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) amizade (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) arrependimento (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) blog (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) choro (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estrangeiro (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) individualidade (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) línguas (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) rural (1) ruído (1) sem titulo (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)