26.7.17

Somados à subtração....

caso,
 somos dois perto da parte indiscreta do sol,
solução,
deixar estar a brisa inconstante da razão aqui, ao pé do ouvido do coração,
e quatro vezes tudo isto,
 a partir daqui, só o tempo passa,
o tempo?,
morreu,

eu nunca quis mais nada dele que o tal suspiro final traduzido num volto já inspirador, o sorriso

Não gosto das coisas assim....

Desumanizado assim,
Estás á espera do tempo em
Que as coisas fiquem secas de
Tanto esperarem que o tempo passe,
E a serenidade de tudo isto?

Viver assim são parcelas de um
Todo encaixado nas estrelas,

Se te digo isto é porque sim,
E porque não gosto da força que
Os nãos têm quando se desfazem...


.....está calor, porra!!!!

Foto de NME.

14.7.17

Filhoriso

Puto és a mania solidária de ser vida,
Sorris quando o meu sorriso já é um cadáver decomposto pelo passar dos anos,
És a curiosidade de todos os dias com a felicidade de crescer,
És sorriso, 
Milhões de bem dispostas cócegas a vida de rotina que nos empurra para não se sabe onde,
E no fim do dia diferente dos séculos que isto tudo já leva,
És o ser que afasta a irrisória noção de fim que nos rata os bolsos com os segundos incompletos da vida...

11.7.17

Terça à noite...

. ... é para rir a dormir,
Sonhar ironicamente,
É para gritar o mundo só presta ás vezes acreditando nos dias invisíveis para o tornar melhor,...

Somando frases,
Gritos paralelos de incompleta quietude,
É para dizer aos falhados que o sol nasce também aos bocados para eles, 
E á chuva para que nunca pare de sorrir,
É para escrever talvez com todos os nãos a fazer-nos chorar,
É para chorar até morrer e renascer todos os milhões de vezes que conseguirmos,...

É para fazer muito mais que tudo isto que não é nada,....


E no fim recomeçar pensando que o sucesso reequilibra as milhões de pãginas que a vida nos empresta para escrever e depois deitar fora guardando 

Feito todos os tempos que conheço...

Enfrento a frase insubstituível dos dias de chuva,
Fazer o mesmo dizendo que o resto são segundos vazios, 
Primeiro eu subtraído de todos os eus desconhecidos, 
Depois a parte descolorida de muitos todos vós,
E depois a parte menos incerta de respirar, 
Suspiro,
Suspiros,
...o tempo a caminhar sozinho como sempre quis ser..


7.7.17

(Des)gosto

gostava de gostar assim como quem desgosta de gostar o que nunca ninguém gostou, 
mas gostando de gostar, 
gostar de tudo o que não se gosta torna-se mais fácil de gostar...

Etiquetas

Poesia (859) Vida (546) Surreal (320) poemas (238) Pensamentos (193) Introspecção (186) Homem (179) Textos (104) Sem Título (84) escrita (81) Portugal (78) Sonhos (77) abstrato (71) prosa (71) poema (67) Contos (60) imagem (59) musica (54) youtube (54) Sórdido (51) Literatura (50) Reflexão (50) Tempo (49) Um dia gostava de saber escrever assim (49) video (49) Amor (46) introspeção (43) poesias (43) Escrever (39) Absurdo (37) Política (37) Passado (36) autores (35) Ironia (34) tristeza (32) foto (28) pensar (26) Fantasia (24) Humor (24) História (23) pensamento (23) Recordações (22) imagens (22) introspecao (21) Morte (20) Desilusão (18) rotina (18) Ficção (17) Memória (17) desespero (17) gif (16) Regresso (15) texto (15) lisboa (13) solidão (13) Dedicatória (12) Música (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) quotidiano (12) Menina perfeita (11) cinema (11) Rimas (10) escritores (10) ideias (10) nonsense (10) 'Depois de almoço' (9) Comiseração (9) fotos (9) Mundo (8) blogue (8) escritaautomática (8) irreal (8) Divagações (7) Inatingivel (7) Suspense (7) Vídeos (7) coisas estúpidas (7) giphy (7) presente (7) real (7) sentimentos (7) sombrio (7) Discurso de (6) Diálogo (6) ausência (6) curtas (6) desnorte (6) dúvida (6) existência (6) fotografia (6) gatos (6) ilusão (6) noite (6) ser (6) videos (6) Homenagem (5) ciidade (5) comédia (5) depressão (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) luxos importados (5) paginas partilhadas (5) politica (5) qualquer coisa (5) recordar (5) relacionamentos (5) sonhar (5) sonho (5) trabalho (5) vídeo (5) Actualidade (4) Dia Mundial da Poesia (4) Natal (4) Viagens (4) animais (4) belo (4) concursos (4) futuro (4) imaginário (4) interrogação (4) intervenção (4) língua (4) meditação (4) subjectividade (4) surrealista (4) terra (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (3) Gótico (3) Religião (3) Vício (3) adeus (3) amargo (3) autor (3) beleza (3) cidade (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conversas (3) crossover (3) curtos (3) céu (3) dia (3) fim (3) linguagem (3) livros (3) medo (3) obscuro (3) país (3) pessimismo (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) razão (3) reflexao (3) saudade (3) social (3) sujeito (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Desejos (2) Fernando pessoa (2) Poemas de enternecer (2) Poemas música (2) angustia (2) aniversario (2) aniversário (2) auto-conhecimento (2) conto (2) decepção (2) desconexo (2) descrição (2) desejo (2) destino (2) evento (2) fado (2) falhanço (2) família (2) hate myself (2) ideia (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogos de palavras (2) lamento (2) lamentos (2) leituras (2) liberdade (2) luta (2) manhã (2) mensagem (2) monólogo (2) mulher (2) outono (2) parvoíces (2) perda (2) poetas (2) popular (2) prosa poética (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) sem sentido (2) sentimento (2) sexo (2) silêncio (2) subjetividade (2) Africa (1) Denúncia (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia abstrato (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Tumblr (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) alegria (1) animado (1) ao calhas (1) armagedão (1) arte (1) atualidade (1) blackadder (1) breve (1) brincadeira (1) campo (1) canto (1) cartas (1) coletâneas (1) comida (1) contribuições (1) crónica (1) curto (1) datas (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) discurso (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escrita criativa (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) falar (1) fatalismo (1) felicidade (1) filmes (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) guerra (1) haiku (1) hesitações (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) ilusao (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) lembrança (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) link (1) links (1) livre (1) loucura (1) mario viegas (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) participações (1) passeio (1) pensáveis (1) pessoas (1) pobreza (1) português (1) praia (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) rap (1) realidade (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) ridiculo (1) riso (1) ruído (1) sem tema (1) sem titulo (1) sentidos (1) simples (1) sociedade (1) som (1) statement (1) subjetivo (1) televisão (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) violência (1) viver (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1)