domingo, maio 31, 2020

Não faças com que eu conte mais para ti

A validade.
Esse ponto ficou ali por causa da retracção,
Dos dois minutos perdidos e que nunca mais hão de voltar,
Vestido só assim,
Tornei-me irrelevante,
Despojado de odores que fazem as métricas necessárias para um sorriso,...

Não faças com que eu conte mais para ti


sábado, maio 30, 2020

Tic-tac

Nem os cães daquela terra,
Nem o ar soava a fim,
A água pesava tanto como a solidão,...

Tinha chegado mas já queria sair,
Só se falava em perseguir,
Deixar pelo fim os sorrisos que se desenquadrassem,
As memórias tolhidas a amor,...

Quando me afastava reparei que o tic-tac do tempo por encomendar,
Custava só o suficiente para matar a fome,
O vento contou-me a história que queria ouvir,
E regressei,...

Ao fim e ao cabo odiava-me a ponto de querer ser incomodado pelo mal 

sexta-feira, maio 29, 2020

Quando a fome escarlata

Dar amor,
Já sei que
A língua ferve,...

Na melhor das hipóteses nada funcionará sem que
Me renda ao racionalismo possível,...

Já não tenho medo que o vermelho seja lânguido,
E se coma bem quando a fome escarlata todo o português que ainda vive,..

E agora vens burlesca,
Vestida como que o nu te perdoasse as roupas sem pretensiosismos,...

O amor já não vende,
Ainda que me esforce mais por reter o ar que me emprestaste,
O amor não vende sem que se defina o preço da morte primeiro




quinta-feira, maio 28, 2020

Problema de todas as horas

Tudo parecia indiferentemente distinto,
O trinar do passaro,
A maledicência da mulher sem passado,
A devassa até dos raios de sol,
Que se insinuavam distintos da matéria,...

Lá fora há restos anodinos da dor que pedia desculpa,
E agora está resolvida do problema sem cor,
Embrutecida hora em que percebi o problema de todas as horas


quarta-feira, maio 27, 2020

Inseguranças

Há certamente formas mais cómodas de contar isto,
Nao sei qual escolha,
A voz enlameada,
Não passa com o que provêm deste sol esquizofrénico,
Atrás de mim,
De ti,
De todos sem que haja sequer voz,...

Tenho um texto escrito com respaldo,
Pode suportar todo este empobrecimento consequente à dor,
E nada mais diz que um novelo de contradições,...

Sou pobre na espera de metáforas,
Vendo só o que aqui está,
Sem o conseguir classificar,
Adio as frases inúteis,
As pausas de poesia experimental,
E assim revelo-te a minha mágoa,...

Incomodado preciso de tempo para ser objetivo



terça-feira, maio 26, 2020

Todas as frases que ainda direi

E lábios,
Serão os teus tão pesados como os seios daquela mulher já feita poeira,
Que quando o tempo nem sequer se pintava ainda a cores,
Arrastava a percepção de qualquer dia pela soma de todas as horas sem vida,
Fazendo-o para que atrás de si não mais houvesse morte a sibilar veneno como todas as cobras da criação,...

Sim,
Pergunto-te dos teus lábios,
Sem que deles a menor forma de sonho algum dia tenha sentido a sair,
E agora que os dias já mais lentos são que uma roca de bebé moribundo,
Para mim eles desenham a luz,
Mais devagar que os passos daquele dia em que perdi,...

Agora sim,
Os teus lábios são teus,
E nunca mais tendo sido nossos,
Passam a ser de todas as frases que ainda direi



segunda-feira, maio 25, 2020

Irrelevância

O grito de quem foge soa irrelevante,
Existem pés,
Uma noção de fuga,
A permanente descrição de sofrimento enlatado,
Quase como se as pessoas se alimentassem de equívocos estranhos,
Dissenções mal estudadas de, casos clínicos de loucura,...

A mim não me percebas como analista de mediocridades assim,
Ignora-me até,
Tudo funcionará melhor com uma noção assim perfumada,
De felicidade 

domingo, maio 24, 2020

Entre tragédias

As predileções,
Recuadas,
Sem cor,
Frases desenhadas com a esquadria possível,...

Eram todas falsas,
Nada se provava do que pareciam acusar,
Representavam as locuções esquecidas das gerações bonitas,
Mas espezinhadas,
O cheiro, sim todos os cheiros que a lacustre percepção do erro sempre deixa nas pessoas,...

Eram falsas,
E hoje pesam o que pesam,
A meu ver nada do que é preciso para que se leia a felicidade,
Entre tragédias



sábado, maio 23, 2020

Sem o corpo jovem


Sem o corpo jovem,
A parte inútil,
As dores não terão sentido até querer,
Só depois do desejo virá a falta de ti,
Os dias podres,
A luz de nada só serve para estes momentos,...

Se assim o deixarmos

sexta-feira, maio 22, 2020

O peso e a forma da dúvida

Admiro-te na sombra,
No luar mentiroso,
Se as pedras pesassem o mesmo que o ar,
Admirava-te mais que o sabor das ondas,
Que as dúvidas que não ter ar,
Levanta ao sorriso de todos os dias,...

O peso e a forma da dúvida,
Estragam este quadro, a não
Termos cuidado,
Por isso chega-te à sombra de não fazer sentido,
E ao menos que o lustro de escrever a parte inútil,
Faça recomeçar tudo de novo


quinta-feira, maio 21, 2020

Nova ordem

Há certamente várias maneiras diferentes de nos corrigirmos,
Abraçar a chuva,
Ler sem palavras o que nem o silêncio suja,...

Ao fundo sempre aquela música reparada,...

Esquece-ma por favor,
Quieto fico melhor do que nocivo para o estabelecer de uma nova ordem




quarta-feira, maio 20, 2020

Assunto inócuo

Evangelizado ou não,
Este era um assunto escrito onde os olhos não chegavam,
Onde a palavra agonizava,
Com música sim,
Verbo não,
Este era um assunto que te interessava,
Aos mortos,
Aos fartos de viver,...

Não sei dizer se a voz não me chega,
Se a letra é um insulto,
Talvez a posição agrade,
Com a resposta alienada,
Parei pela força,
E retomei pela esperança,...

Este era um assunto,
Afinal diáfano,
Transparente,
Um não assunto



terça-feira, maio 19, 2020

Filósofos mortos

Disse-me que tinha de ser agora. À beira daquela urgência, uma conversa impunha-se.. . Tinham de ser revistos conceitos, fronteiras, a forma de se dizer o proibido, e fintar as escusas.
Esperei que chegasse, sentindo-me à beira do abismo. Havia, do lado de lá daa vidraças, o que parecia ser um salgueiro frondoso, conservador. Aquele pequeno vento de fins de maio, que impunha as noites que nos pintam os sonhos molhados, plantava ansiedade nos dois beirais daquela pequena divisão. Lembrei-me de que lhe tinha ensinado a ansiedade,
A forma de a usar sem parecer excessiva, e de a recusar como planta de discórdia e de noites sem sentido.
Aproximava-me de um sítio sem letras, sem compreensão.
Ela chegou, anormalmente inconstante. E não me lembro se poderei terminar isto que comecei...
Ainda converso com ela sobre filósofos mortos.


segunda-feira, maio 18, 2020

Inócuo

Começava sempre à mesma hora,
Prometia algo inócuo,
Como o que as raparigas guardam com a sua virgindade,...

Era como um passeio à beira-mar,
Com o sol a servir de tapete estrelado,
De todas as possíveis hesitações,..

E quando pesado,
Nada restava além do desejo de repetir,
Hoje perguntaste a um livro se isto valia a pena


domingo, maio 17, 2020

mês

funcionava assim como que um mês,
as bocas das pessoas não se fechavam
sobre as injustiças,
e as crianças de nariz sujo que esvoaçavam,
como o velho lá do fundo qualificava,
tal e qual em redor da carniça,...

o mês acabava na hora certa,
começava quando se quisesse,
ninguém lamuriava sobre o que não
podia ter,
só se caminhava,
sem destino,
com as proteções invisíveis
necessárias,...

até que naquela parede,
tudo terminava,
havia mortes,
mas não sobravam desenhos
que as descrevessem

sábado, maio 16, 2020

Pontas soltas

Era bom ligar as coisas pelas pontas,
Imagina assim,
Eu era um vendedor de roupa usada,
Daquela feia,
Que ninguém quer e só a maledicência nos leva a aproximar,...

Tu ias querer um vestido sem cor,
De uma transparência mediamente reveladora,
Que custasse barato,
Eu aproximava-me para dizer que o que vendia eram realmente sonhos,
Que poderiam agradar-te pois também eram diáfanos,
Quase opacos,...

Chegávamos a um consenso,
E levavas para casa um sonho de cordas,
Com muitas pontas soltas e desfiadas,
Que de ti iriam exigir uma dedicação extrema,
E quase literária,...

Não te cobraria nada,
Pois sei que amanhã estarás nessa mesma esquina,
Necessitada de luz com música


Astronomia

dizer qualquer coisa de uma estrela,
parecia ser uma estrela,
a mesma que te impedia da
entrada na sala dos desejos,
dizer que talvez ela se escreva a
si própria,
dentro do possível,
sem incomodar ninguém,...

e assim recuares ao ponto
de não te transformares,
a tempo de haver qualquer
céu, que te reconheça
a priori como um desejo,
sem nome e sem idade


sexta-feira, maio 15, 2020

A 15 de maio escreve-se como se pode,...a 4 de abril

pensa num versículo do novo testamento,
nada de rebuscado,
senta-te à chuva,
mangas arregaçadas,
ocasionais miradas para o céu,
com o céu escarlate acinzentado a mirar-te
de cima,
repugna-te com as voltas intermináveis
que o Planeta dá,
sem destino,....

e sugiro-te escrita automática,
escreve sem parar,
com os dedos até eles te doerem
de angustia,
bebendo gotas de chuva mortais,
como queiras,....

e no fim, quando já
não aguentares mais,
volta a pensar no versículo do novo testamento,
a religião mata,
e já te molhaste o suficiente
para o experimentares de perto


quinta-feira, maio 14, 2020

Legenda

legenda para este equívoco,
um homem inaudito,
duas mulheres desesperadas e,
sem local,...

chovia,
não faz mal se terminar,
há medo por debaixo dos
tapetes,
e quando me entras em
casa,
faz tanto frio que
a morte,
vem para almoçar


quarta-feira, maio 13, 2020

Inconformado

O jeito inconformado do teu riso,
A maneira desajeitada de sentir feromonas,
Acasalando com o meu ser desmaterializado,
Escrevo-te como quero,
Pois as minhas limitações estão nos passos que incompletas,...

No reforço anónimo do teu riso,
Em tanta coisa que reforça o cais instável do meu ser,...

Acoplada a esta satisfação,
De esperar-te como porto incerto,
A água dos teus abraços estagna nestes desejos que agora lês


terça-feira, maio 12, 2020

Fazes sinal

Fazes sinal,
Ainda me vês passar,
Sinto-me tão perdido como,
Sempre estive,
Prioridades trocadas,
Nas mãos uma mão cheia de equívocos por explicar,...

Fazes-me sinal para conversarmos,
Nao espero nada desta casualidade,
A minha vida resume-se a fugas para a frente,
A escrever descrições,
Sem que a redenção seja uma possibilidade,...

Sigo em frente,
Não me peças obediência 

segunda-feira, maio 11, 2020

me cobrisse de frio


Não me ocorre perceber-te,
Como se os versos assim desenhados,
Me apanhassem perdido em todas as
Ruas de todos os dias,
Como se o engano fosse escrito
Sem nenhuma capitular,
Apenas com os restos da parcimónia
Daquela madrugada,…

Se mesmo assim não te perceber,
Ao meu lado deitar-me-ei,
Como se a tua sombra me cobrisse do
frio


domingo, maio 10, 2020

Poesia descarnada

a poesia,
recuso-me que a poesia se descarne, até porque,
nem sei nada de mais importante que
admiti-la como precisa,
incapaz de um sorriso,...

admitindo até que ela não
se veste depois de uma noite de sexo,
prefiro-a como é,
adornada como a barca
incompleta dos sonhos,
em que um único infeliz pretende
a máscara,
mas só obtém a permissão
para um beijo, no
espelho de água,...

em suma,
até admito depenar a poesia,
descarnar nunca


sábado, maio 09, 2020

Escolhas

Isto é,
Sobrar as hesitações,
Ramificando os sentimentos mal explicados,
É sempre má opção,...

Até lá a maior parte das nossas escolhas,
Cheiram a ocre,
Por entre dedos de quem vê,
Sendo cego


sexta-feira, maio 08, 2020

Crio de fugidio

Uma carícia, não me lembro do fim,
..., sei que termina em azedume,
Se me recordar do reforço,
De uma mentira perdida e sem sentido,
Rendo o que tenho de render,
Reconheço o final de uma presença,
De nunca mais me debruçar sobre este livro,...

E em vez disso abordo o que me dizes de palpável,
Com um cheiro indefinido de indiferença,
E os meus dedos não mais me encontram,
Perco-os no que crio de fugidio


quinta-feira, maio 07, 2020

Suportar

Um pouco mais,
O som díspar dos Limites,...

Como poderias chorar assim na porção inútil,..

Quando anoitecia já nada mais nos aparentava servir,
Só o restarmos a nós mesmos,
Como sobra de toda a espera que alguma vez,
Aparentamos suportar,...

E o dia resplandece no canto inesperado do teu sorriso


terça-feira, maio 05, 2020

Admirável mundo novo

isto não é um lamento,
não tolhe achar as lágrimas,
precisar de frases para nos acolhermos
melhor,
sem cuidar que os afetos,
as coisas sem peso mas que
esmagam,
se escondem de nós para
não as amachucarmos,
deformarmos,....

reforço não ser um lamento,
precisar de esperança,
como de veias falsas para
adornar um corpo sem vida,
mas com retorno


segunda-feira, maio 04, 2020

Traição

Temos uma traição,
A traição possível,
Escrita a negro e sem personagens,
Haviam lascas de choro no tempo que demorou a consumar-se,
Sem que ninguém se apercebesse da mansidão que consumou-se no entender,
De como foram maus os seus protagonistas,...

Para frivolidade,
Basta apercebermo-nos de que foi uma traição,
E não há mais olhos de pedra que a a permitam discernir como um facto,
Sem tempo,
E sem lugar



domingo, maio 03, 2020

Há muito tempo atrás tive uma mãe......:-(


Fraco de toda esta maneira de ser forte


E procurava-te porque todos queriam cuspir no mesmo sítio,
Troquei a mega luta de qualquer ânsia de ser feliz, para que a procura do fácil,
Do querer trocar a língua sempre que dizer a porção certa,
O limão das palavras,
Seja o errado de ter de ler sempre as mesmas coisas,...

Diz-me agora o ar,
A arte,
A percepcionada visão de esperar que tudo isto se nos enrole,
Às pernas,
Depois aos braços,
Até que o ar nos ensine o luto,
Fraco de toda esta maneira de ser forte 

sábado, maio 02, 2020

resumo-me a esta prontidão

é possível,
não serem nossas as
indiscrições de todos os beijos,
e depois faltarem as pessoalidades
de um momento,...

resumo-me a esta prontidão


sexta-feira, maio 01, 2020

Primeira de Maio, escrita a 23 de março

quantas vezes me aconteceu pensar que,
não pensar,
abotoar os meus desenhos de
irrisórias coisas,
escondendo-os na roupa vetusta
que escolho,
para esquecer de vez as ruas
que me enfrentam,
e eu desprezo,
que me enfrentam,
e eu faço por esquecer,....

continuando em frente,
o caminho irá estreitar,
de certo,
a perceção das coisas
que interessam,
vai perder-se,
e vai restar a minha ideia de cinematógrafo
do silêncio,
até um dia

The Cameraman (1928)

Etiquetas

Poesia (1183) Vida (996) Surreal (458) poema (445) poemas (443) escrita (316) pensar (261) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (193) Escrever (183) abstrato (146) Textos (117) poesias (110) Reflexão (90) introspeção (89) prosa (88) Portugal (86) autores (85) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (80) imagem (80) Sonhos (78) youtube (70) musica (67) Tempo (62) Contos (61) Passado (61) Absurdo (57) Amor (57) Literatura (56) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (42) imagens (36) texto (36) pensamento (35) Ironia (34) foto (34) História (33) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (25) Música (23) Dedicatória (22) Memória (21) recordar (21) ser (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) pessoal (13) quotidiano (13) razão (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) abstração (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) viver (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) noite (7) poetas (7) refletir (7) reflexao (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) sentir (6) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) dia (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)