terça-feira, março 31, 2020

A força

A força,
Beijos, dores, emanações de
Frustrados com letra grande,
Os que já partiram sentados,
A conversar,
Enquanto o tempo,
Grão de pó constante na minha escrita,
Passeia junto ao mar,
Fazendo pedrinhas levitar na espessura vaga do espelho de água,...

A força resume-te,
Descreve-nos sem ter o que acabar agora que a luz,
Morreu



segunda-feira, março 30, 2020

Frases com mentira

...onde vos mandámos para
ter a verdade,
ninguém sabia a perfeição,
a hesitação recordava-se como
um equívoco de juventude,
sem arrependimentos,
e dos velhos,
rezava-se que a possibilidade
de os ter acordados,
fosse só a água a correr
para um rio que nem existia,...

na mansidão dos ideais,
a hesitar,
os poucos brilhantes extinguiam-se,
como um dia o tempo o fará,...

e da verdade nada restava,
até ser necessário sublinhar
as frases com mentira


domingo, março 29, 2020

I kill you covid


Um dia gostava de saber escrever assim


o vaso das essências

Porque estás ao lado deles contra mim?
Não nos refugiámos neste deserto,
nem abandonámos ainda este claustro
de santos e anjos colocados.

A humidade do século,
a humildade poisa sobre o oleado. Levo-O
comigo através das ruas vazias,
Levo-O mesmo antes de eu O ver.

Porque estás do lado deles contra mim
pendurado na nave onde só a velha
mulher lembra
com as lágrimas que ninguém ouve

entre as multidões da Tua pátria e
os soldados do império.
Arde uma vela
doem os espinhos

arde o cheiro acre do vinagre.
Queimam algumas aparas do lenho onde Te renovas.
Suspenso sobre a cidade judaica
dominas em silêncio e

levas conTigo as amáveis palavras de um ladrão.
O óleo,
os incensos,
o mundo nem sequer protege a solidão das obras.



João Miguel Fernandes Jorge, Tronos e Dominações

Vírus

como que a inoculação
deste vírus,
chamado indisposição
de viver,
fosse o que
precisávamos,...

estávamos à espera
que o tempo passasse,
de mão em mão,
como que um grupo
de crianças assim tratado
se revelasse,
triste,
só por momentos,
antes que a preciosidade
de um sorriso surgisse,
e ao colocar tudo em causa,...

afirmasse a precisa
descrição de um dia,
igual ao de sempre,
para que a água nos trouxesse
o final dos tempos


sábado, março 28, 2020

Apologia do pessimismo

Eu vi as coisas que quiseste que visse,
Não me agradaram,
Pensei no fim dos tempos,
Na razão pela qual não devemos confiar no tempo,
Porque ele um dia vai falhar-nos,
Esmiuçando todos os nossos falhanços num choro interminavel,...

A moderna forma de contornar toda a indecisão assim pintada,
Encontramo-la na desilusão,
Em confiar nas pessoas e elas trairem-nos,
Para que assim se escrevam livros sem sentido,
Incentivando as pessoas a aprofundarem o egoísmo



sexta-feira, março 27, 2020

Rabiscado

se me explicares como a falta
de presente,
molda as nossas forças,
e destrói o futuro insuportável,
ofereço-te este pequeno apanhado
de falhanços,
que aqui tenho,
está rabiscado de uma forma renascentista,
quase inofensiva,
mas considero-o importante,
porque qualquer coisa que anunciamos
a nós mesmos,
como factos por consumar,
vale a pena ser partilhado,...

até dissecado,
e não me faças explicar-te
o óbvio,
o sol ainda dorme por entre aquelas
árvores que já morreram


quinta-feira, março 26, 2020

Nada mais a dizer

Custa pouco não escrever poesia,
Amanhã à noite se calhar,
Já não penso o mesmo,
A distância de casa à Igreja permanece igual,
Não conheço o verbo espiar,
E só sei cozinhar uma coisa,...

Arrependimento,
De resto,
Acho que não escrever poesia faz as pessoas crescer,
Até porque o tempo há-de tornar-se irrelevante,
E aí,
Discutirei o realce dos verbos nas decepções das pessoas,..

Até lá,
Nada mais a dizer



quarta-feira, março 25, 2020

Epílogo

mas esta metade
da minha alma,
é feita de não sei quê,
comigo a recusar falar,
do que não acredito,
 e não me doura a existência
 da forma que quero....

anoto tudo na
folha possível,
a que nem cor tem,
e sigo para a rosada
descrição do fim

terça-feira, março 24, 2020

Estrangeiro da tua distância

trocar tudo por ti,
as coisas,
a languidão dos
dias indeterminados,
a frase certa para que se perceba
que o teu falar,
vem de longe,
não é daqui,
não tem horas
marcadas para sorrir,
nem para chorar,...

só existe,
e nada sei dele,
como se a gostar assim,
me tornasse estrangeiro
da tua distância


segunda-feira, março 23, 2020

Metáfora embrulhada

agora perguntas-me e daí,
o que sobrevive quando já não
temos mais roupa,
que esconda o que queimámos ao
cantar sem destino,
dizendo-nos povo sem dono,
música sem quartel,
conceito sem explicação,...

se me perguntares pela luz,
respondo-te que agora,
mesmo neste momento
que não mais voltará,
já não sei se parar de escrever
o que te oferto,
será sinal que sei parasitar o
suficiente a tua saudade,
para que não abdiques da minha
insuficiência,
dos defeitos que desfiei e desfio
aos teus olhos,
como o tear das tecedeiras
que trabalham para não morrer,
e morrem para que outras venham
depois delas,...

perdoa-me se a metáfora embrulhada
neste papel sem cor,
não te arrastou de novo para a estória
do sorriso que te corre no sangue,
mas não sei fazer melhor

image


Tirado daqui

domingo, março 22, 2020

Surreal designação de um beijo

Talvez ela mo fosse dizer agora. Sei que anda a sobreviver a si própria, anormalmente instruída só no suficiente para fazer sentido. Para que cada passo que teme dar, não fique atrás do próximo que dá sem que a razão lhe explique a forma a dar a cada frase. A cada sentimento.
Pára, volta para trás, debruça-se sobre o chão, como que a raiva a absorvesse em espiral, consoante o seu próprio desejo:
- Não me disseram o que viram. Só que lhes doeu.
Esperava mais.Sei que há um, que me parece sem sentido. Dizem que já matou. Que não reza. Que não tem cultura. E que só anda por onde ela anda, porque é isso que os homens sabem fazer. Seguir o tracejado do que as mulheres percorrem, e esperar que algo os ajude a fundirem-se com a história que cada sorriso de uma mulher transpira.
Saímos em silêncio daquela casa. Na rua, todas as ruas pareciam caber afuniladas naquela brisa de todos os sentidos que atormentava as pessoas. Percebia-se o medo, o impedimento que rendilhava o desejo em passar. Em inutilizar os contactos visuais, apenas o tempo suficiente para chegar a porto seguro.
Peguei-lhe numa das mãos, enquanto a sentia com a outra a querer remar naquelas águas revoltas. Já não era comigo que queria estar. Parámos, e tentei um beijo. Recuou um passo, respondi-lhe com outro em frente, e ela defendeu-se com um menear de rosto. Magoado, profundamente magoado. Senti-lhe um espírito que chorava, inconstante, revoltado com o passar das horas que a tornavam inútil, desprovida de sentido. Velha, com a juventude a escapar-lhe pelos rebordos irregulares do sorriso.
Despedimo-nos. Tudo estava contado ao segundo. À necessidade de seguir com vidas que, naquele momento, tinham acabado de nascer e lutavam ainda para habituar os olhos à luz de existências que vestiam apenas a pele....


sábado, março 21, 2020

O Meu Dia Mundial da Poesia, não obstante o Covid...

li uma ou duas páginas
do que deixaste,
só podia ser teu,
as consoantes mal entoadas,
com vogais abertas,
bem trabalhadas,
cheirando a ruas acabadas de
amanhecer,...

sim, continua a sorrir,
adoro que o faças se eu
for sendo sincero com o que
escreves,
e mais ainda com o que dizes,...

amanho-me aqui sem saber
cozinhar sentimentos
em verso,
e limito-me a seguir o que
gosto de te despertar,
o simples moldar de tanta
ideia junta,
atabalhoada,
que te entrego em flor,
para que refines,
e saiam assim poemas,
despretensiosos,...

quase como se o mundo tivesse
absoluta necessidade de os abraçar,
para que não caiamos,
nós,
numa roda em que o tempo
deixa de contar


Repousa-me atenuado

também não me cabe na pele o
estertor dos erros,
estiquei em mim a frutuosa
indecisão de todos os dias,
o que valeu aos ditadores,
vestindo-os de uma simplicidade
demoníaca,
e hoje sobrevivo assim com
a água certa,
comprometendo-me apenas com
o certo que um poema me dá,...

às vezes sinto-me afogado
no que qualquer destes versos,
tem para dar,
mas a possibilidade de uma
luz adequada ao contentamento,
repousa-me atenuado


sexta-feira, março 20, 2020

Um dia gostava de saber escrever assim

nuno júdice / acalmia



O vento sopra no vazio da pele,
quando a abandona o desejo; levanta
as palavras caídas, ergue-as
até às nuvens, onde as vejo misturarem-se
com as aves embranquecidas do ocaso.

O vento deita-se nas equimoses do espírito,
abrandando a dor de quem ama sem
objecto nem eco. Ouço-o por dentro das veias
rápidas de um luxo de emoções, como
se gritasse por um tropel de troncos.

O vento morre nos braços de florestas
petrificadas, saudando um degelo de re-
soluções. Respiro o ar imóvel com um odor
de folhas calcinadas – como se pisasse o teu
corpo, terra lívida do meu abraço.




nuno júdice
a fonte da vida
quetzal
1997

Reprovação

Por cada um de mim que houver após o fim do tempo,
Não serão dois nem três,
Talvez os suficientes,
Todos os equívocos que as pessoas irão varrer para o canto do mundo,
Ao pormenor,...

Os relatos de dor surgirão,
Como se recordar-me for a lanterna da procura de uma noite certa,
Infinda,
Onde passe por cima do tempo tudo o que o espaço quiser decantar,...

Aprofundar por não menos que a descoberta do sentido da vida,
E se de facto voltar o amanhecer,
Não terminem de ler este poema,
Já cá não estarei para que me mirem com a reprovação suficiente para uma mentira



quinta-feira, março 19, 2020

Um dia gostava de saber escrever assim

Não toques nos objetos imediatos


“Não toques nos objectos imediatos.
A harmonia queima.
Por mais leve que seja um bule ou uma chávena,
são loucos todos os objectos.
Uma jarra com um crisântemo transparente
tem um tremor oculto.
É terrível no escuro.
Mesmo o seu nome, só a medo o podes dizer
a boca fica em chaga.”
Herberto Helder

Viabilidade

começo a perceber
melhor o meu avesso,
 tem vida,
assoberba-se quando o
mar revolta a fase
indistinta do tempo,
e ao passear-se na lage fria
desta constante de amorfos,
 revolta-se,
escreve a possível 
lamentação,
e deixa de sobra
duas lágrimas,
que guarda a partir
de um momento
que se auto-extingue,...

 para que tudo
isto se afigure,
no fundo,
possível

quarta-feira, março 18, 2020

Cinzel


Não estar aqui,
Com as tuas mãos em repouso,
E as minhas na dialetica da imperfeição humana,
Estares aí significa as duas faces da solidão possível,
E um rosto criado a escopo,
E o teu,
imperfeito no cinzel daquela única tarde em que pensei ter-te

terça-feira, março 17, 2020

Hoje acordei assim


Eu devo ter querido isto,
Passar despercebido à máfia do vício,
Sabendo que a noite cai sempre para mim de forma diferente,...

Não me arrependo,
Sem dizer que a frase certa,
Soa-me humildemente ao errado,...

Acho que aperceber-me assim das coisas imprevistas,
Faz de mim mais velho,
Menos imprescindível,
Dispensável até quando da minha ausência se espera tudo

segunda-feira, março 16, 2020

Partir copos

Poucas vezes depois do sol,
Conseguia partir copos,
Só repousava antes do sono,
Um pouco contrariado,
Muito indeciso,
Sempre com mãos sujas de negrura,...

Dormia com sangue o tempo suficiente para me habituar à dor,
E escolhendo ter sede,
Partir os copos que quisesse,
Antes de gritar inocentemente de dor,...

Agora já não me lembro da força que tive de aproveitar,
A meio do choro com a frase



domingo, março 15, 2020

Holocausto dos barulhos

Olá,
Agora adversamente explicada a mentir,
Não te vejo como a linha de mar dos meus olhos,
Talvez balizada pelas descobertas do sol que me enfeitam o silêncio,
Te perceba finalmente como o holocausto dos meus barulhos,
De todas as minhas vulgaridades,
E Rostos com este erre grande que aqui te envio,
Sem selo de retorno,
Talvez porque nem espero que retornes,...

Assinado,
O teu despedimento assinado alegria,
Agora que é de um raio de sol que me alimentas a esperança de te ter,
Sabendo que nem de cheiro descrevo a vida que já foi nossa


sábado, março 14, 2020

Poema em reta

ali vai o homem sem desnortes, acentuada assim, esta era uma desilusão credível, sem que ninguém se ofendesse, ou quisesse até fruir as mesmas mensagens, sempre sem explicação, sem retorno,.... quase como a provocação, inerente ao estar sem perceber, este homem percebia não ter desnortes, só acreditava num sorriso, em todos os sorrisos a caírem para o precípicio, contando com a morte,.... o passatempo era pois escrever sobre este homem, dar-lhe o palpável, a prevenção da humanidade,.... todos falhavam, mas todos digladiavam-se por tentar



sexta-feira, março 13, 2020

e daqui em diante

e daqui em diante,
a mim não me pretendem
mais os sonhos,
as velozes desmaterializações
 do ser,
a mim chegam-me
a procissão dos sonhos inalcançáveis,
os dias sem água
contra o racismo trôpego da sede,...

a mim chega-me
avivar todas as memórias
que não professei,
as razões inabaláveis,
que se desfizeram,
deixando o tempo sem sentido,...

e daqui em diante,
aflijo-me apenas
com o que quiser,
e nunca com o que preparam
nas minhas infelicidades

quinta-feira, março 12, 2020

What if this was all worth while?

Debilidade

à tua pele,
ou melhor na tua pele,
deslizaram a parcela indelével
da solidão,...

à melhor parte de poder ver,
essas foram as possibilidades
que fomos tendo
de o esquecer,
de aprovar a inconsequência
que temos,
sempre que percebemos o vazio
de não ter ninguém,
de debater com a manhã,
deixando-a levar a melhor
como entidade bem sucedida,
de vida explicada,....

e agora,
ao menos que se sujem
as mãos com esta,
indiscutível debilidade


quarta-feira, março 11, 2020

Arrependimento

Eles não dizem como pensar de forma correta,
Rostos recolhidos em arrependimento,
Se uma manhã servisse,
Como ângulo certo,
Para explicar tudo isto,
Eles não saberiam como desdizer o romance,
Aprofundar esta escrita irreconhecivel,...

Não saberiam,
Talvez só como a poesia viesse a dizer,
A verdade


terça-feira, março 10, 2020

This anouncement has been paid for by Bernie 2020

De nada



Nada,
As frases,
O alento de uma certa entoação,
Até um pé ante pé para fora
Desta tempestade,...

De nada restava as capitulares,
Só o que se podia descrever,
Como se o tempo trouxesse aquele alento que nos falta,
Para meter a morte no bolso,
E reduzir o big bang a uma bica e um cigarro,..

Repito,
Nada,
Duas fases inexatas da mesma tristeza

segunda-feira, março 09, 2020

Intróito incerto




já me permito sublinhar livros,
dizer às pessoas
aquilo que quero,
com as frases que tinha
esquecido,
como que a escorrer
nos cantos do meu refúgio,
sempre que o sol nasce

domingo, março 08, 2020

Head bumps


formosura de estar só

não vou muito longe,
só em redor deste postigo de janela,
e passeio para trás,
e para os lados,
até que o tempo consiga afetar-me
de forma,
significativa,
tanto assim que me deixe
a cantar,
sem disposição,
com a vontade possível
de fazer parar as inconsequências
do tempo,...

e quando me quiseres
parado,
desfia o rosário dos
problemas por resolver,
talvez nessa altura,
já tenha escrito sobre
a formosura de estar só


sábado, março 07, 2020

Igual ao nosso

Exatamente igual ao nosso,
Falava em desculpas,
Na República nova dos conformados,...

Vestia normalmente roupa de trabalho,
E periclitava sempre com a mesma música,
Adornado pela pinga de sempre,
Ao final do dia,...

Por enquanto nada mais direi,
Só que era exatamente igual ao nosso


sexta-feira, março 06, 2020

Fraqueza


Em princípio só tu e eu entenderemos que o amor,
Não faz uma conta de somar,
Não abstrai as consequências dos problemas mal resolvidos,...

Aqui me aninho neste estranho sublinhado da ânsia,
Coisas que a ditadura me deixou,
Quando me deitava a bordar o que me restava de uma consciência crítica,
Das duas ameaças ao tempo,
Que me repousavam na franqueza que ainda me oferecia analisar,... 

Talvez se refrasear o que tu e eu pensámos juntos sobre isto, 
Sirva para nos aproximarmos mais do livro de memórias que esperamos rasgar


quinta-feira, março 05, 2020

O Inatingivel chegou aos 200 seguidores no Facebook

Vísceras

as vísceras como
letras,
as letras
como tráfico,
a fraca e indefinida perfeição,
como pensas,
como ages,
e tudo,
mas mesmo tudo,
dizendo que
a escrever,
 a folha é cor de sangue,
com todas as mortes
precoces estridentes
nas letras sem sentido,
nas frases sem fim,...

isto sou eu,
a querer escrever
mais para dentro,
da Terra,
dos nossos e inconstantes
pensamentos
de amor anulado


quarta-feira, março 04, 2020

Sangue escondido

para os dias em que parto
copos,
com as mãos,
sobram os que limpo o sangue,
incompleto,
com que saio à rua de roupa
impoluta,...

e não mais me esforço para
parecer bem,
antes que a noite me faça
pensar o contrário


terça-feira, março 03, 2020

Viagem

falaram-me que havia uma pedra,
em cima de uma folha branca,
estava junto a uma casa
num lugar recôndito,
sem ar,
fui lá,
e vi-te ao longe,...

escrevias o resumo de
um romance que dizias gostar


segunda-feira, março 02, 2020

Talvez seja isso

não foram só as coisas que li,
os determinantes que evitei,
a vulgaridade que escolhi
fintar,
os versos repetidos que
fui forçado a usar,
as pessoas inócuas que
revi,
e refiz toscamente em
situações sem solução,...

não foi tudo que alguma vez
desejei,
e as flores indesejadas nos
raiares dos teus olhos,
talvez de tudo não haja retorno,
nem das frases indecisas,
dos sentimentos sem pátria,
que vagueiam pelo mundo,
invisíveis,...

não foi nada disto que me lembro,
efetivamente,
de ter lido,
talvez a possibilidade de um lado
sem arestas,
naquele livro que te esqueceste,
quando desabitaste o meu peito,
talvez seja isso


domingo, março 01, 2020

A primeira de Março, esperando ir ainda a tempo da tal coisa, do coiso....

Claro que era conversa de café, aquilo que se esforçava por mostrar. Ombros direitos, olhos amendoados, como que enraivecidos, mas sem realmente estarem.... Dizer mal de políticos, das aleivosidades que as mães dos ditos tiveram de fazer para os parirem, parecia colher sempre, em qualquer rua, em qualquer canto... Era preciso, sim, manter uma postura amanuense, um ritmo de discurso acelerado, e sem projeções de saliva que pudessem descredibilizar o que quer que fosse.... Naquele dia, até, mandou vir uma 'tulipa', que lhe puseram à frente a escorrer espuma, em cima do balcão.... Havia um senhor irritado com ele, mas que por enquanto estava controlado.... E dois outros, tão amadurecidos no conformismo, que se calhar nem contavam para nada... Lá ao canto, a dona não sei quantas, o nome se calhar não vinha ao caso, de vez em quando olhava de soslaio enquanto tratava dos pipis, para depois a seguir ir ao entrecosto com migas que já lhe tinham pedido.... Continuou, por isso, sem percurso definido... Tão depressa disse bem de estarem a aumentar os velhinhos, como disse mal de já ninguém respeitar as casas das pessoas... Sentia o sangue a golfar nas veias do pescoço, que inchavam e desinchavam como as pernas de uma octogenária com má circulação.... Agarrou-se ao peito, simulando uma dor tão grande, que dava para meter lá dentro o tempo, e o espaço, e ainda arranjar espaço para os arrependimentos sem cor de que toda a gente, mesmo toda a gente, padecia a qualquer hora do dia.... Guardou-se para o fim do desafio da bola, que guinchava aos solavancos no rádio velho de canto de taberna... E ao mesmo tempo que o tempo espichava,.... ao mesmo tempo que deixava de haver espaço para que a luz ali entrasse, já que lá fora o sol ia esboroando o que lhe restava de força no horizonte,.... sentia que era preciso acabar,.... Bebeu o que faltava, virou costas, baixou os olhos, e saiu daquele espaço... Nada mais ocorria dizer para que a conversa de café, voltasse a soar a conversa de café

Etiquetas

Poesia (1183) Vida (996) Surreal (458) poema (445) poemas (443) escrita (316) pensar (261) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (193) Escrever (183) abstrato (146) Textos (117) poesias (110) Reflexão (90) introspeção (89) prosa (88) Portugal (86) autores (85) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (80) imagem (80) Sonhos (78) youtube (70) musica (67) Tempo (62) Contos (61) Passado (61) Absurdo (57) Amor (57) Literatura (56) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (42) imagens (36) texto (36) pensamento (35) Ironia (34) foto (34) História (33) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (25) Música (23) Dedicatória (22) Memória (21) recordar (21) ser (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) pessoal (13) quotidiano (13) razão (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) abstração (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) viver (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) noite (7) poetas (7) refletir (7) reflexao (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) sentir (6) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) dia (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)