segunda-feira, junho 27, 2011

Está calor!!!!


o amor são pedrinhas pequeninas no trilho das pessoas boas,
conforme a relação imprescrutável do ser,
as coisas tornar-se-ão assim impossíveis de descrever quanto mais forem precisas,
e fáceis de aninhar na compreensão que preferimos ter do que vemos,
amor é portanto qualquer coisa que fica no segundos anteriores ao sono irrequieto do bulício do dia,
explicando melhor,
amor para mim é uma mãozinha pequenina,
risonha,
inquisitiva,
que luta contra o sono para que o mundo não lhe fuja,
quando o embalo já o toma,
reflicto eu que sou feliz a olhar para algo que verdadeiramente me faz adormecer tranquilo.....

domingo, junho 19, 2011

Brasas

como por vezes o suor cheira a morte,
e os conselhos dos homens bons se desfazem a olhar para o céu,
conversamos em redor de tudo isto dizendo pouca coisa,
só o suficiente para pedir facilmente de todos o silêncio,...

quinta-feira, junho 16, 2011

Toma lá, ó 31!!!



De Jonátas de Silva e Melo Porcalheira a 16 de Junho de 2011 às 12:38

Admito que me faz comichão a existência de um blogue como estes. Ainda mais assumir-se toda a gente que aqui escreve, ou pelo menos grande parte dela, como terroristas. Fazem-no por causa das manifestações ridiculas de transformismo que fizeram durante os últimos tempos de Governo socialista? por causa do gravissimo furto de bandeiras autárquicas? Criar este tipo de blogues, num país tão marcada e crescentemente corporativo como é o nosso significa, no meu entender, acentuar a desorientação das pessoas ou, por outras palavras,dizer-lhes que vale tudo para que acima do bem comum, venha o seu próprio bem. Criticar desta forma um capitão de Abril, uma pessoa que, concorde-se ou não com a sua orientação política ou do grupo onde se inseriu, deu de si próprio para que um país saísse da penumbra e pelo menos tentasse entrar numa rota de futuro, é mostrar mesquinhez e, precisamente, dizer às pessoas que a liberdade individualizada, e individualista, é no fundo a única saída para que o nosso país possa estancar a saída de jovens que tem sofrido, e lhes dê renovado desejo de permanecer no próprio país. Acredito, com cada vez mais veemência, que existem várias noções de liberdade. Há mais liberdade no sentimento de pertença a um país que nos dê garantias de bem-estar, do que existe nos fins-de-semana que devotamos a ir a centros comerciais gastar, porque há quem queira que o façamos dessa forma. Com este confuso discurso, o subscritor pôe-se inteiramente ao lado do tenente-coronel Vasco Lourenço quando ele, de uma forma excessivamente prudente na minha opinião, deu a entender que é triste um país que permite seres como Paulo Portas no Governo. É uma nação que, com isso, prova que não tem consciência crítica, que é populista, que cede a lobbys de pressão e não a ideias concretas para o desenvolvimento de um país. Acabo de escrever este texto, ouvindo os futuros donos deste país a traçar um destino negro para todos nós. O ultra-liberalismo vai tomar conta da nossa rotina, vai trazer-nos incerteza laboral, incerteza na educação dos nosso filhos, incerteza no acesso aos cuidados de saúde. Mas o 31 da Armada há-de cá ficar a defender este estado de coisas.

Não


acho fado com o mesmo salto,
que a menina deu sem que o que prometeu,
lhe desse que fazer ao entardecer,
com muitos enfados e sem que dos dados,
se soubesse algo ,
e fizesse pouco,
para que ao mover,
nem para se aperceber,
plantasse soluções,
em problemas onde os tesões,
repousassem em paz,
e restasse ao rapaz,
....criar...

terça-feira, junho 14, 2011

A sinuosa tarefa de criar


Nunca escrevi a sério sobre o motivo pelo qual escrevo. Às vezes penso que é por me fazer sentir feliz. Com poder sobre as coisas. Mas ao mesmo tempo, só o pensar que escrever faz as pessoas sentirem-se felizes, roça um pouco o ridículo. E daí talvez não. A poesia, de tão abstracta que consegue ser, cria um mundo alternativo que pode ser de todas as formas e feitios. Com cheiros indisfarçavelmente agradáveis, ou aterrorizantes quanto baste. Não sei de nada que possa ser realizador, o suficiente, capaz de suplantar este sentimento.
Com isto tudo, acho que este blogue vai continuar......, por mais algum tempo,...pelo menos...

UAU!!!!! (Aviões transparentes)

Window on the world: Gone are the small aircraft windows in the 'vitalising zone' which provides a panoramic view for passengers


Starry skies: The cabin wall membrane controls air temperature and can become transparent to give passengers views throughout the day and night

sexta-feira, junho 10, 2011

Cidadela....



sou daquela cidade que regurgita os choros incontidos, 
até gosto de de vez em quando morar aqui, 
e ouvir os que de somenos repartem coisas com o vento para não se dizerem sozinhos, 
e tudo o mais que sobrar desta descrição com a brisa do entardecer a acentuar-me a desorientação,
escrevo estas coisas quando nada mais me resta do que tentar escrevê-las para manter a inquietude face ao passar do tempo, 
sonho com teorias incumpridas nestas quatro paredes de sujidade de que não me consigo soltar, 
enquanto isso participo nos recônditos meandros do que a minha efectiva consternação consegue criar....

The Graduate

sábado, junho 04, 2011

Assembleia Popular



Não conciliaram as coisas
do portento saído da
Assembleia Popular,...


derivadas as conclusões,...


a arraia queria desnorte
seguido de tranquilidade,
pão com água e
a subir para o céu
um trampolim de
tranquilidade,...


naquela praça
que se desfaça quem
for contra,...


votada a decisão
com o secretismo
que o braço impõe,...


fez-se silêncio,
amplificadas as discordâncias,
saiu tudo de arrasto,...


cada um para seu lado,
com o engodo do som
inexplicável do imobilismo.....

quarta-feira, junho 01, 2011

Inatingivel n.º 700

Há exactamente 11 anos caía de cabeça aqui dentro:-) 

Para encher....

Far-me-ia leve. Indeciso, com as intermitências necessárias a resolver o que estava a mais naquela discussão. Impreciso, sem concordar com avanços e recuos. E tudo porque a rotina quebra a actividade intelectual do que a sociedade necessita para evoluir. As pessoas detestam como tudo isto se resolve sem que ninguém concorde com o outro. Falar com base em indecisões descritas assim, redunda em conflitos precisos e rotundos que levam idiotas como eu a escrever coisas sem sentido como estas......

Etiquetas

Poesia (1183) Vida (996) Surreal (458) poema (445) poemas (443) escrita (316) pensar (261) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (193) Escrever (183) abstrato (146) Textos (117) poesias (110) Reflexão (90) introspeção (89) prosa (88) Portugal (86) autores (85) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (80) imagem (80) Sonhos (78) youtube (70) musica (67) Tempo (62) Contos (61) Passado (61) Absurdo (57) Amor (57) Literatura (56) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (42) imagens (36) texto (36) pensamento (35) Ironia (34) foto (34) História (33) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (25) Música (23) Dedicatória (22) Memória (21) recordar (21) ser (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) pessoal (13) quotidiano (13) razão (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) abstração (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) viver (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) noite (7) poetas (7) refletir (7) reflexao (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) sentir (6) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) dia (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)