4.4.18

Um dia gostava de saber escrever assim

Manuel António Pina/Tat tam asi 


Nós os maus caminhamos em
círculos cada vez mais estreitos
até ao centro de tudo, o silêncio de tudo

(Nada é de mais, porque existe tudo)
Na nossa terrível vigília
cultivamos técnicas mortas,
o pleonasmo, a pura repetição

Aqueles que afirmam tudo
existem já na eternidade
conquistaram a imobilidade e o silêncio
com sábia indiferença são sidos por tudo

Sem comentários:

Etiquetas

Poesia (891) Vida (579) Surreal (326) poemas (254) Pensamentos (201) Introspecção (186) Homem (180) Textos (105) escrita (93) poema (85) Sem Título (84) Portugal (79) Sonhos (77) abstrato (76) prosa (71) Contos (60) imagem (60) youtube (57) Reflexão (56) musica (56) Sórdido (51) Um dia gostava de saber escrever assim (51) Literatura (50) Tempo (50) introspeção (50) video (49) Amor (46) poesias (46) Escrever (43) Política (39) autores (38) Absurdo (37) Passado (37) Ironia (34) tristeza (34) pensar (31) foto (28) imagens (27) pensamento (26) Humor (25) Recordações (25) Fantasia (24) História (23) introspecao (22) Morte (20) gif (19) Desilusão (18) rotina (18) Ficção (17) Memória (17) desespero (17) texto (17) Regresso (15) cinema (14) Música (13) lisboa (13) solidão (13) Dedicatória (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) quotidiano (12) Menina perfeita (11) dúvida (11) Comiseração (10) Rimas (10) escritores (10) fotos (10) ideias (10) nonsense (10) 'Depois de almoço' (9) existência (9) giphy (9) Mundo (8) Vídeos (8) blogue (8) escritaautomática (8) irreal (8) presente (8) Divagações (7) Inatingivel (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) real (7) sentimentos (7) sombrio (7) videos (7) Discurso de (6) Diálogo (6) curtas (6) desnorte (6) fotografia (6) futuro (6) gatos (6) ilusão (6) noite (6) ser (6) sonhar (6) Homenagem (5) Natal (5) ciidade (5) comédia (5) datas (5) depressão (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) luxos importados (5) paginas partilhadas (5) politica (5) qualquer coisa (5) recordar (5) relacionamentos (5) sonho (5) trabalho (5) vídeo (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) Dia Mundial da Poesia (4) Viagens (4) amargo (4) animais (4) belo (4) concursos (4) imaginário (4) interrogação (4) intervenção (4) língua (4) meditação (4) razão (4) reflexao (4) subjectividade (4) sujeito (4) surrealista (4) terra (4) Gótico (3) Religião (3) Vício (3) adeus (3) aniversário (3) autor (3) beleza (3) breve (3) cidade (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conversas (3) crossover (3) curtos (3) céu (3) dia (3) fim (3) linguagem (3) livros (3) medo (3) mulher (3) obscuro (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) prosa poética (3) páginas partilhadas (3) saudade (3) sem sentido (3) social (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Desejos (2) Fernando pessoa (2) Poemas de enternecer (2) Poemas música (2) angustia (2) aniversario (2) ao calhas (2) arte (2) auto-conhecimento (2) conto (2) decepção (2) desconexo (2) descrição (2) desejo (2) destino (2) evento (2) fado (2) falhanço (2) família (2) filmes (2) hate myself (2) ideia (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogos de palavras (2) lamento (2) lamentos (2) leituras (2) liberdade (2) luta (2) manhã (2) mensagem (2) monólogo (2) outono (2) parvoíces (2) perda (2) pessoal (2) poetas (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) sem tema (2) sentimento (2) sexo (2) silêncio (2) subjetividade (2) viver (2) Africa (1) Denúncia (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia abstrato (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Tumblr (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) alegria (1) alienação (1) animado (1) armagedão (1) artistas (1) atualidade (1) blackadder (1) brincadeira (1) campo (1) canto (1) cartas (1) coletâneas (1) comida (1) condição humana (1) conjetura (1) contribuições (1) crónica (1) curto (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) discurso (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escrita criativa (1) espera (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) eu (1) falar (1) familia (1) fatalismo (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) guerra (1) haiku (1) hesitações (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) ilusao (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) lembrança (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) link (1) links (1) livre (1) loucura (1) mario viegas (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) participações (1) passeio (1) pensáveis (1) pessoas (1) pictures (1) pobreza (1) português (1) praia (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) rap (1) realidade (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) ridiculo (1) risco (1) riso (1) ruído (1) sem titulo (1) sentidos (1) simples (1) sociedade (1) som (1) statement (1) subjetivo (1) televisão (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) violência (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1)