28.4.18

Bem disse que o fim de semana estava sonolento

A noite desenrolava-se quase como o cachecol velho que guardamos, de um inverno para o outro, e depois demora a reentrar na nossa vida, para deixar-se ficar, até o dia regressar com o cheiro da primavera que sabemos estar lá sempre. Sentia-se a cacimba a descer dos céus, e a tomar conta de todas as coisas, animadas e inanimadas, adormecendo o ciclo da vida pelo tempo necessário.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (951) Vida (660) Surreal (343) poemas (302) Pensamentos (205) Homem (189) Introspecção (188) escrita (171) poema (166) Textos (110) abstrato (95) Sem Título (84) Portugal (80) Sonhos (77) prosa (73) Escrever (71) pensar (68) imagem (66) introspeção (65) Contos (61) youtube (60) Reflexão (59) poesias (59) Um dia gostava de saber escrever assim (58) musica (58) Tempo (56) Literatura (51) Sórdido (51) video (50) Amor (47) autores (47) Política (43) Passado (42) tristeza (40) Absurdo (37) Ironia (34) foto (29) pensamento (29) imagens (28) gif (27) Recordações (26) História (25) Humor (25) Fantasia (24) introspecao (24) Morte (20) Desilusão (19) desespero (19) Ficção (18) Memória (18) rotina (18) texto (18) Música (16) cinema (16) Regresso (15) existência (15) lisboa (13) solidão (13) Dedicatória (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) dúvida (12) quotidiano (12) Comiseração (11) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) fotos (11) nonsense (11) giphy (10) ideias (10) ser (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) irreal (9) videos (9) Inatingivel (8) Mundo (8) Vídeos (8) blogue (8) presente (8) real (8) sentimentos (8) Divagações (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) sombrio (7) surrealista (7) Discurso de (6) Diálogo (6) curtas (6) datas (6) desnorte (6) fotografia (6) futuro (6) gatos (6) ilusão (6) noite (6) pessoal (6) qualquer coisa (6) recordar (6) relacionamentos (6) sonhar (6) vídeo (6) Dia Mundial da Poesia (5) Homenagem (5) Natal (5) Viagens (5) belo (5) ciidade (5) comédia (5) depressão (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) luxos importados (5) paginas partilhadas (5) politica (5) razão (5) sonho (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) Religião (4) Tumblr (4) amargo (4) animais (4) aniversario (4) autor (4) concursos (4) descrição (4) interrogação (4) intervenção (4) lembrança (4) linguagem (4) livros (4) língua (4) meditação (4) reflexao (4) saudade (4) subjectividade (4) sujeito (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) adeus (3) aniversário (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) cidade (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conversas (3) crossover (3) curtos (3) céu (3) dia (3) espera (3) eu (3) filmes (3) fim (3) ideia (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) pessoas (3) popular (3) porque sim (3) prosa poética (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) social (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Desejos (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) angustia (2) ao calhas (2) arte (2) atualidade (2) certeza (2) condição humana (2) conto (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) desejo (2) destino (2) discurso (2) evento (2) fado (2) falhanço (2) familia (2) família (2) filosofar (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) liberdade (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) perda (2) pictures (2) poetas (2) psicose (2) realidade (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sentimento (2) sexo (2) silêncio (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) subjetivo (2) viagem (2) violência (2) viver (2) Africa (1) Denúncia (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) alegria (1) alienação (1) animado (1) ansiedade (1) análise (1) armagedão (1) artistas (1) blackadder (1) brincadeira (1) campo (1) canto (1) cartas (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) considerar (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escreva (1) escrita criativa (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) leitura (1) lembrar (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) link (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) participações (1) passeio (1) pensáveis (1) percepção (1) personalidade (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) raiva (1) rap (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sensibilidade (1) sentidos (1) sentir (1) sociedade (1) som (1) televisão (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)