sexta-feira, julho 02, 2021

Retrato robot

 


Imagina-me uma criança insegura,

Sem nome,

De olhos baços como o choro da desolação,

E agora explica-me a forma inocente dos dias tristes,

A árvore das mortes que se sucedem,

Explica-me como se vai daqui para a luz fracionada do desejo,...


Porque tenho tantas dúvidas,

Nem sei como adivinhar a mesma razão do desejo que nem conheço,

E há ali,

Debaixo da minha cama da perdição,

Um ano ou dois de vaidade que não é minha,

Só talvez a tenha usado um pouco nestes versos amorfos,

Que nunca sequer chegarão a canção de bairro perfeito 

8 comentários:

  1. Um pedido de ajuda num momento necessário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grito de socorro pouco claro
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  2. Dúvida comum à maioria das pessoas sensatas.
    Excelente reflexão.

    Votos de uma feliz Terça Feira.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Mariazita.
      Sempre um prazer contar com a sua leitura e comentário
      :-)

      Eliminar
  3. Quem não tem dúvidas que atire a primeira pedra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que as dúvidas existem
      :-)
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  4. Um SOS, um lamento, um grito da alma.
    Tomara seja ouvido. Um poema dorido assim, até faz doer a quem o lê.
    Venha algo mais alegre para temperar a desgraça.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi só uma experiência, como tudo aqui
      😉
      Obrigado pela presença

      Eliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1183) Vida (996) Surreal (458) poema (445) poemas (443) escrita (316) pensar (261) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (193) Escrever (183) abstrato (146) Textos (117) poesias (110) Reflexão (90) introspeção (89) prosa (88) Portugal (86) autores (85) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (80) imagem (80) Sonhos (78) youtube (70) musica (67) Tempo (62) Contos (61) Passado (61) Absurdo (57) Amor (57) Literatura (56) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (42) imagens (36) texto (36) pensamento (35) Ironia (34) foto (34) História (33) gif (31) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) Humor (25) cinema (25) rotina (25) Música (23) Dedicatória (22) Memória (21) recordar (21) ser (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) pessoal (13) quotidiano (13) razão (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) abstração (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) viver (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) noite (7) poetas (7) refletir (7) reflexao (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) Viagens (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) sentir (6) aniversário (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) dia (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) familia (3) festas (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)