julho 30, 2021

História com fim abrupto que não chegou a ir a lado nenhum,...mas esteve quase

 Toda a gente dizia que eram irmãos muito diferentes. Afonso gostava de insetos. Vicente nem para um mosquito conseguia olhar. Afonso gostava de amarelo. Vicente era feliz à noite, depois dos pais fecharem a porta do quarto onde ele e o irmão dormiam. Começava a desenhar sopas de estrelas no teto, enquanto do irmão só se via o penacho fora do lençol, com tanto medo que tinha do escuro. Até no vestir os dois não se conseguiam sequer aproximar. Viviam no canto mais frio do país para onde os pais tinham ido viver. Afonso gostava. Era tão feliz, rindo a correr na neve que lhe deixava o cabelo branco, a roupa molhada. Mas não se importava. A sua brincadeira preferida era fazer anjos na neve fofinha. Vicente ficava a ver o irmão correr na rua. Odiava o frio. Andava sempre a sonhar com o verão, e praias a perder de vista, onde pudesse correr, jogar à bola, e divertir-se com o cão da família.

Um dia, quando estavam sozinhos no quarto, antes de o sono os levar aos dois para a terra dos sonhos, resolveram começar a última conversa que ambos pensavam um dia poder vir a ter. Afonso começou:
-Vicente, estás acordado?
Não teve resposta à primeira, e insistiu. 
O irmão respondeu com um resmungo, até que lhe disse:
-o que queres?
Afonso estava a pensar que queria ser mais parecido com o irmão. Enquanto olhava para os números do despertador a passarem, no escuro do quarto, dizia-lhe o que imaginava.
Tinham de os dois pensar numa coisa que deixasse toda a gente impressionada. A acreditar que eles eram os meninos mais criativos do mundo. 
E lembrou-se,...
Porque não se tentavam transformar na mais linda flor que o mundo já tinha visto. 
Vicente adormecera. O barulho do ressonar mostrava que já estava no mundo dos sonhos. Afonso sentiu um pequeno sorriso a esboçar no rosto, e agarrou-se ao urso de peluche, que tinha um botão em vez de nariz, oferecido pela avó Arlete quando ele era pouco mais do que um bebé.
O dia nasceu. Os dois irmãos fizeram o que faziam todas as manhãs, e saíram juntos para a escola. Enquanto esperavam pelo autocarro que os havia de levar para as aulas, Afonso voltou a tocar no assunto. 
"Quero que fiquemos mais juntos. E vamos conseguir"
O autocarro chegou, e os dois irmãos entraram. Não gostavam daquele sítio. A neve caía com flocos grossos, desordenados. Fazia muito frio em todo o lado. O único sítio onde pareciam estar bem era dentro dos lençóis, onde tudo era quente e fazia lembrar casa. Mas tinham-se um ao outro.
Passaram vários dias. Afonso optou por estar calado....

4 comentários:

  1. Há irmãos muito diferentes, na verdade.
    Um belo conto, gostei.
    Bom fim de semana, caro Miguel.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jaime, bom dia.
      Isto foi um principio de conto, com a intenção de ser enviado a um concurso. Mas nunca teve qualidade para isso
      :-)
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  2. Vicente ressonava, Afonso não dormia.

    ResponderEliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1107) Vida (869) Surreal (423) poemas (388) poema (356) escrita (274) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (191) pensar (161) Escrever (133) abstrato (132) Textos (116) introspeção (87) Portugal (85) Sem Título (84) poesias (81) prosa (80) Sonhos (78) autores (78) Um dia gostava de saber escrever assim (75) imagem (75) Reflexão (72) youtube (69) musica (64) Contos (61) Tempo (59) Absurdo (57) Literatura (56) Amor (54) Passado (54) video (52) Sórdido (51) Política (45) tristeza (42) imagens (35) Ironia (34) pensamento (34) foto (33) História (30) gif (30) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) texto (27) Humor (25) cinema (24) Música (22) rotina (22) Dedicatória (21) Memória (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) Comiseração (18) dúvida (17) existência (17) fotos (17) ser (17) Desejos (16) Regresso (15) lisboa (15) Tumblr (14) recordar (14) solidão (14) irreal (13) quotidiano (13) Inatingivel (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) razão (9) Mundo (8) Religião (8) autor (8) blogue (8) fotografia (8) sonhar (8) sonho (8) Natal (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) curtas (7) ilusão (7) pessoal (7) relacionamentos (7) saudade (7) sombrio (7) subjetivo (7) surrealista (7) viver (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) noite (6) qualquer coisa (6) Dia Mundial da Poesia (5) Viagens (5) aniversario (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) prosa poética (5) reflexao (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) arte (4) crossover (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) meditação (4) poetar (4) poetas (4) sentir (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) abstração (3) aniversário (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) dia (3) eu (3) evento (3) familia (3) fim (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) realidade (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) erotismo (2) fado (2) falhanço (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) lembrar (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) racional (2) refletir (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alienação (1) animado (1) anseio (1) ansiedade (1) antiguidade (1) análise (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) dissertar (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) ler (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) recear (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)