segunda-feira, dezembro 06, 2021

Observar uma janela


 

assumindo que cada minuto é a diagonal

que conseguimos suportar,

observava candidamente aquela sacada

de janela antiga,

triângulos simétricos,

defendiam os vidros embaciados e sujos

pelo tempo,

pedaços indolentes de tecido dançavam,

à cadência de um vento inofensivo,...


estava ali por razão nenhuma,

com um selo de dispensável nas mãos,

e o desejo que os dias namorassem

comigo o suficiente,

até a volatilidade do meu ser se

tornar uma realidade

14 comentários:

  1. Intrigante mas ... lindo de ler.
    .
    Saudações natalícias
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  2. Bom dia
    Bonito poema, abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Lucinalva.
      Feliz com a sua presença.
      Abraços.

      Eliminar
  3. Muitas vezes buscamos o significado de alguma coisa, ou o porque disso é daquilo e a impressão que fica é que não saberemos a verdade.
    Gostei, poeta. Beijo 💋

    ResponderEliminar
  4. Bonitas palavras!
    Aproveito para desejar uma boa semana!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram | Youtube

    ResponderEliminar
  5. Hermosas palabras y canción.
    Forte abraço.

    ResponderEliminar
  6. Não nos deixemos ser dispensáveis.
    E vamos namorando nós os dias, a ver se nos são favoráveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ser dispensável é tão fácil nos dias que correm
      Obrigado pela presença

      Eliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1223) Vida (1052) Surreal (479) poemas (471) poema (461) escrita (322) pensar (320) Pensamentos (212) Introspecção (195) Homem (194) Escrever (188) abstrato (153) poesias (150) Textos (117) prosa (96) Reflexão (94) introspeção (92) Portugal (86) autores (86) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (81) imagem (80) Sonhos (78) youtube (72) musica (68) Passado (65) Tempo (62) Contos (61) Amor (59) Absurdo (57) Literatura (57) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (43) texto (38) pensamento (37) imagens (36) Ironia (35) foto (35) História (34) gif (31) ser (31) introspecao (30) Fantasia (29) rotina (29) Desilusão (28) Recordações (28) razão (28) Humor (25) Música (25) cinema (25) recordar (25) Dedicatória (22) Ficção (21) Memória (21) desespero (21) Morte (20) Divagações (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) lisboa (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) pessoal (15) Tumblr (14) irreal (14) quotidiano (14) real (14) solidão (14) videos (14) Pelo Menos (12) Rimas (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) sujeito (12) Menina perfeita (11) abstração (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) refletir (11) viver (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) sonhar (9) sonho (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) noite (8) reflexao (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) surrealista (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) Viagens (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) poetas (7) sentir (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) aniversario (6) aniversário (6) cidade (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) pessoas (6) politica (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) arte (5) belo (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) ideia (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) crossover (4) curtos (4) dia (4) espera (4) familia (4) família (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) festas (3) filosofar (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) loucura (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) riso (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) viagem (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) efeméride (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofia (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) imaginar (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) internet (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) razao (2) revolta (2) ridículo (2) saudades (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) sociedade (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Ferias (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Porsia (1) Prosa cinema (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) amizade (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) arrependimento (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) blog (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) choro (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estrangeiro (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) individualidade (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) línguas (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) rural (1) ruído (1) sem titulo (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)