domingo, dezembro 05, 2021

Soma dos dias

escorregava,

perdia o chão,

sentia o deslize da verdade,

por entre os dedos dos pés,

e tanto frio,

que fixava a abstração,...


as contas de somar perdiam-se

pela divisão dos argumentos,

o dia acabava,

e duas pessoas terminavam a conversa

anulada,

antes da recolha da noite



14 comentários:

  1. Quando a conversa entre dois se anula por falta de entendimento.

    ResponderEliminar
  2. Como a água entre os dedos das mãos, a areia, por entre os dedos dos pés, assim são muitas palavras que saem, ecoam, mas ninguém as ouve... ou quer ouvir.
    O video é deslumbrante de ver e ouvir.
    .
    Tenha um domingo de paz e amor
    Abraço
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela sua passagem ricardo
      Abraço e bom domingo

      Eliminar
  3. Escorregamos a cada passo... e, mais das vezes, as contas são de diminuir.

    Boa semana!

    ResponderEliminar
  4. Divididos os argumentos não fica lugar para uma verdade absoluta.
    Belo tema musical.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As verdade absolutas nao existem, amigo juvenal.
      Abraço

      Eliminar
    2. Queria dizer, uma verdade mais consensual.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
    3. :-)
      Obrigado Juvenal.
      Abraço.

      Eliminar
  5. Conversas se anulam quando as ações não lhes dão embasamento. Palavras, nada mais que palavras.
    Gostei muito Porventura.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Muitas vezes as palavras não ditas magoam mais do que o silêncio.
    A falta de dialogo é uma cicatriz que não sara.
    Talvez, amanhã será melhor.
    Muita nostalgia meu amigo!
    Esperança, existe e é preciso acreditar.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1223) Vida (1052) Surreal (479) poemas (471) poema (461) escrita (322) pensar (320) Pensamentos (212) Introspecção (195) Homem (194) Escrever (188) abstrato (153) poesias (150) Textos (117) prosa (96) Reflexão (94) introspeção (92) Portugal (86) autores (86) Sem Título (84) Um dia gostava de saber escrever assim (81) imagem (80) Sonhos (78) youtube (72) musica (68) Passado (65) Tempo (62) Contos (61) Amor (59) Absurdo (57) Literatura (57) video (53) Sórdido (51) Política (47) tristeza (43) texto (38) pensamento (37) imagens (36) Ironia (35) foto (35) História (34) gif (31) ser (31) introspecao (30) Fantasia (29) rotina (29) Desilusão (28) Recordações (28) razão (28) Humor (25) Música (25) cinema (25) recordar (25) Dedicatória (22) Ficção (21) Memória (21) desespero (21) Morte (20) Divagações (19) existência (19) Comiseração (18) dúvida (18) lisboa (18) fotos (17) Desejos (16) Inatingivel (16) Regresso (15) pessoal (15) Tumblr (14) irreal (14) quotidiano (14) real (14) solidão (14) videos (14) Pelo Menos (12) Rimas (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) sujeito (12) Menina perfeita (11) abstração (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) refletir (11) viver (11) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) sonhar (9) sonho (9) Mundo (8) Natal (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) curtas (8) fotografia (8) noite (8) reflexao (8) relacionamentos (8) saudade (8) sombrio (8) surrealista (8) Dia Mundial da Poesia (7) Suspense (7) Viagens (7) coisas estúpidas (7) ilusão (7) poetas (7) sentir (7) subjetivo (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) aniversario (6) aniversário (6) cidade (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) pessoas (6) politica (6) prosa poética (6) qualquer coisa (6) arte (5) belo (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) ideia (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) meditação (5) paginas partilhadas (5) racional (5) strand of oaks (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) crossover (4) curtos (4) dia (4) espera (4) familia (4) família (4) interrogação (4) intervenção (4) medo (4) poetar (4) realidade (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curto (3) céu (3) desejo (3) destino (3) erotismo (3) eu (3) evento (3) festas (3) filosofar (3) fim (3) lamento (3) lamentos (3) liberdade (3) loucura (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) riso (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) viagem (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) dissertar (2) efeméride (2) fado (2) falhanço (2) festa (2) filosofia (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) ilusao (2) imaginar (2) indecisão (2) instrospeção (2) insulto (2) interior (2) internet (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) leituras (2) lembrar (2) ler (2) link (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) nomes (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) razao (2) revolta (2) ridículo (2) saudades (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) sociedade (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) violência (2) vivência (2) Africa (1) Anuncio (1) Ferias (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poesiaa (1) Poeta (1) Porsia (1) Prosa cinema (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) admissão (1) agir (1) alienação (1) amizade (1) animado (1) ano (1) anseio (1) ansiedade (1) antigo (1) antiguidade (1) análise (1) anúncio (1) arrependimento (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) blog (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) celebração (1) choro (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conceito (1) conjetura (1) contribuições (1) corpo (1) cruel (1) crónica (1) cultura (1) curta (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dia da mulher (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estrangeiro (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) existir (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) filme (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) individualidade (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) luz (1) línguas (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) realismo (1) recear (1) recordação (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) rural (1) ruído (1) sem titulo (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) urgência (1) vazio (1) velhice (1) verbo (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)