junho 21, 2021

Sorriso assexuado

 Vamos manter-nos a favor do vento,

O tempo há-de passar,

E com ele trazer a sensação de dever cumprido só com uma ideia pré concebida,

Faltava som a este projeto,

Na medida em que os velhos se recordam só da música,

E há sempre mais jovens para iludir conversas,

E estender ao sol roupa que nem precisa de ser seca,...


Já anoitece com um cheiro a revolta, 

Tudo terá sido um equívoco dificil de explicar,

E o teu sorriso assexuado pesa por si só, 

Não deixa dúvidas para que se recorra a Kant numa razão, 

Sem primado,...


Há esperança para mais desejos iludidos, 

Como este pretendeu ser 


6 comentários:

  1. Quando se alimentam expectativas que não se confirmam há um certo desencanto mas, não aprendemos com a experiência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as experiências são válidas e úteis para a nossa evolução
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  2. Conheço muitas formas de sorrir: Sorrisos com ternura, sorrisos contrafeitos, sorrisos rasgados...mas nunca vi nem sei como são, os sorrisos assexuados!
    Há uma certa harmonia melódica que me agrada no seu todo.

    Boa semana, Miguel. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso surge num contexto poético
      😊
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  3. Ah , nos manter a favor do vento, é sabedoria, meu caro poeta Porventura. As árvores que possuem resina em seus trocos e galhos se envergam à passagem dos temporais e vento forte. Já as que são secas por dentro, se quebram fácil , fácil. Quanto aos sorrisos assexuados, devem ser aqueles abertos, amplos, que provoquem nos que o recebem, choque de alegria e bem estar.
    Te admiro o talento de poetizar e provocar reflexão com prazer. Parabéns . Também eu gosto de vir aqui.
    Beijos !!

    ResponderEliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1094) Vida (832) Surreal (410) poemas (366) poema (332) escrita (254) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (191) pensar (149) Escrever (126) abstrato (126) Textos (116) Portugal (84) Sem Título (84) introspeção (84) prosa (79) Sonhos (78) autores (76) poesias (76) Um dia gostava de saber escrever assim (75) imagem (75) Reflexão (72) youtube (68) musica (62) Contos (61) Tempo (58) Absurdo (57) Literatura (56) Amor (52) Passado (52) video (52) Sórdido (51) Política (45) tristeza (42) imagens (35) Ironia (34) pensamento (33) foto (32) História (30) gif (30) Fantasia (29) introspecao (29) Desilusão (28) Recordações (28) texto (27) Humor (25) cinema (23) Música (22) Dedicatória (21) Memória (21) rotina (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) Comiseração (18) existência (17) fotos (17) Desejos (16) dúvida (16) Regresso (15) lisboa (15) ser (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) quotidiano (13) recordar (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) real (11) Inatingivel (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) presente (9) razão (9) Mundo (8) Religião (8) autor (8) blogue (8) sonhar (8) sonho (8) Natal (7) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) curtas (7) fotografia (7) ilusão (7) pessoal (7) relacionamentos (7) saudade (7) sombrio (7) surrealista (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) noite (6) qualquer coisa (6) subjetivo (6) viver (6) Dia Mundial da Poesia (5) Viagens (5) aniversario (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) prosa poética (5) reflexao (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) concursos (4) crossover (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) meditação (4) poetar (4) sentir (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) aniversário (3) arte (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) dia (3) eu (3) evento (3) fim (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) realidade (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) erotismo (2) fado (2) falhanço (2) familia (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) poetas (2) psicose (2) refletir (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alienação (1) animado (1) anseio (1) ansiedade (1) antiguidade (1) análise (1) artistas (1) assunto (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) dissertar (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) inglês (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) leitura (1) lembrar (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) racional (1) raiva (1) rap (1) recear (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)