outubro 02, 2021

Céu de cobalto


 sentia ter pisado o terreno da dúvida,

o chão fugia debaixo dos pés,
e era de noite,
com o céu de cobalto de sempre,
mas um vento diferente,
com cores,...

anotava cada experiência,
um som aqui de irresponsabilidade,
a interjeição possível que agarrasse a verdade,
nada que a meu pai parecesse mal,
tudo seguia a precisão irresoluta,
e com o tempo a espezinhar as mesmas
listas de afazeres incompletos,
até que fosse novo dizer amanhã,....

era arrastado como que a areia movediça
que tinha encontrado,
não o fosse matar,
apenas fazer reviver o passado

10 comentários:

  1. Sr arrastada para um passado que tenha sido memorável, gostaria, se não, prefiro ficar no presente. :)

    ResponderEliminar
  2. Debaixo do céu revivem os o passado, importante reter a cor.

    ResponderEliminar
  3. por vezes basta um aroma que nos devolve um pouco de nós ao nosso passado.
    pode ser bom.
    pode ser mau.
    mas é a vida e é bom viver!
    bom fim de semana.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida.
      Sentido bem captado
      :-)
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  4. Amigo, o passado era.
    E a ele ser arrastado
    É reviver num estado
    De lembranças, mas quimera
    Porque se vive outra era;
    Outro tempo; outro momento.
    Podemos tomar assento
    No passado ou no presente.
    Não se pode ao que há à frente
    Que é o futuro e chega lento.
    Abraço cordial. Parabéns pela postagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente comentwrio poetico
      😀
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  5. Por vezes a dúvida espreita e o chão move-se...
    Mas não vale a pena reviver passados nem passadas.

    Boa noite!

    ResponderEliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1126) Vida (907) Surreal (431) poemas (402) poema (384) escrita (292) Pensamentos (212) Homem (194) Introspecção (192) pensar (178) Escrever (153) abstrato (136) Textos (116) poesias (89) introspeção (87) Portugal (85) Sem Título (84) prosa (81) Reflexão (80) autores (80) imagem (79) Sonhos (78) Um dia gostava de saber escrever assim (75) youtube (69) musica (65) Contos (61) Tempo (59) Absurdo (57) Literatura (56) Passado (56) Amor (55) video (52) Sórdido (51) Política (45) tristeza (42) imagens (36) Ironia (34) foto (34) pensamento (34) gif (31) História (30) introspecao (30) Fantasia (29) Desilusão (28) Recordações (28) texto (28) Humor (25) cinema (25) rotina (23) Música (22) Dedicatória (21) Memória (21) Ficção (20) Morte (20) Divagações (19) desespero (19) Comiseração (18) dúvida (17) existência (17) fotos (17) ser (17) Desejos (16) Regresso (15) lisboa (15) recordar (15) Tumblr (14) solidão (14) irreal (13) quotidiano (13) Inatingivel (12) Pelo Menos (12) Texto # (12) Vídeos (12) ideias (12) real (12) sujeito (12) videos (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) giphy (11) nonsense (11) presente (11) razão (10) sentimentos (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) pessoal (9) Mundo (8) Religião (8) ausência (8) autor (8) blogue (8) fotografia (8) sonhar (8) sonho (8) surrealista (8) Natal (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) curtas (7) ilusão (7) relacionamentos (7) saudade (7) sombrio (7) subjetivo (7) viver (7) vídeo (7) Discurso de (6) Diálogo (6) Homenagem (6) aniversario (6) datas (6) desnorte (6) filmes (6) futuro (6) gatos (6) noite (6) qualquer coisa (6) reflexao (6) Dia Mundial da Poesia (5) Viagens (5) belo (5) cidade (5) ciidade (5) comédia (5) concursos (5) depressão (5) descrição (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) imaginário (5) lembrança (5) linguagem (5) livros (5) luxos importados (5) língua (5) paginas partilhadas (5) pessoas (5) politica (5) prosa poética (5) sentir (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) abstração (4) adeus (4) amargo (4) animais (4) aniversário (4) arte (4) crossover (4) espera (4) família (4) ideia (4) interrogação (4) intervenção (4) meditação (4) poetar (4) poetas (4) racional (4) social (4) subjectividade (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conto (3) conversas (3) curtos (3) céu (3) desejo (3) destino (3) dia (3) eu (3) evento (3) familia (3) fim (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) realidade (3) refletir (3) sem sentido (3) sentimento (3) silêncio (3) tarde (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) alegria (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) considerar (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) discurso (2) erotismo (2) fado (2) falhanço (2) filosofar (2) frase (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogo de palavras (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) lembrar (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) passeio (2) perda (2) personalidade (2) pictures (2) psicose (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) tradicional (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Anuncio (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Livro (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Poeta (1) Teatro (1) Universo (1) acomodações do dia (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alienação (1) animado (1) anseio (1) ansiedade (1) antiguidade (1) análise (1) artistas (1) assunto (1) ausencia (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) citações (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) cálculos (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) dissertar (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) efeméride (1) eletricidade (1) embed (1) escreva (1) escrita criativa (1) estetica (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) exercício (1) explicar (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frases (1) futebol (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) imprensa (1) inatingível (1) indecente (1) infancia (1) infantil (1) inglês (1) iniciativas (1) insulto (1) internet (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) já se comia qualquer coisa (1) l (1) lamechas (1) leitura (1) lengalenga (1) ler (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) melancolia (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) pais (1) participações (1) pensáveis (1) pequeno (1) percepção (1) pintura (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) questionar (1) raiva (1) rap (1) recear (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) resposta (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sociedade (1) som (1) sátira (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) visão (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)