18.10.20

Irascivel

 a ousadia leva 

ao irascível, 

às coisas sem tento,

 e tanto que se me oferecia 

dizer das reclusões 

sem tempo, 

e dos livros comidos 

nas pontas pelos vermes,... 


tudo o que vimos 

e esperámos cair em pé, 

veio de ‘chofre’, 

derramar-se aos pés do tempo, 

deixando-o sem idade, 

sem expetativas,.... 


irascível pois o 

que deves ler no rodapé 

deste galicismo, 

tudo o que te mando, 

defraudei as pessoas 

na Place Pigalle, 

enquanto chovia, 

e eu morria aos bocadinhos, 

acobardando-me




8 comentários:

  1. A eterna insatisfação do ser humano e da insegurança que o não deixa progredir, pareceu-me ser o ponto fulcral neste poema.
    Gostei e do anterior também. Muito!
    :-)

    Bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem.
      Esforço me sempre por melhorar
      😊
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  2. Irascível sim, mas com contenção para que não haja uma subida de tom.
    Boa Noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A iascibilidade é uma atribuição irregular. Aparece e desaparece😊obrigado pela presença

      Eliminar
  3. A ousadia pode abrir caminhos mas nem todos nos deixam tranquilos. Em muitas ocasiões nos irritamos. A insatisfação pode morar no desejo de aperfeiçoamento, de crescimento. As vozes que nos chegam nem sempre trazem alento, mas não nos podem impedir de caminhar. Muito belo!
    (está tudo bem com você??? sumiu!!!! )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu estou aqui, no mesmo sitio de sempre
      😊
      Um pouco dêscendido ao mundo real, por causa de obras em casa, mas sempre aqui. Não tenho comentado coisas suas porque até ontem a noite não vi nada de novo.
      Mas já vou verificar de novo
      😊
      Obrigado pela presença

      Eliminar
  4. Somos insatifeitos por natureza.
    E todos os dias morremos um pouco.
    Um pouco e pouco.
    E depois...por vezes é uma libertação.
    Forte isto!
    Boa semana
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim.
      Bastante forte.
      É uma reflexão que mexe connosco
      😊
      Obrigado pela presença

      Eliminar

Acha disto que....

Etiquetas

Poesia (1007) Vida (674) Surreal (354) poemas (307) Pensamentos (208) Homem (193) Introspecção (189) escrita (180) poema (180) Textos (111) abstrato (99) Escrever (90) Sem Título (84) pensar (82) Portugal (81) Sonhos (78) prosa (73) imagem (70) introspeção (65) poesias (62) youtube (62) Contos (61) Reflexão (60) Um dia gostava de saber escrever assim (60) musica (59) Absurdo (56) Tempo (56) Literatura (53) Amor (52) Sórdido (51) autores (50) video (50) Passado (44) Política (44) tristeza (40) Ironia (34) foto (31) imagens (30) Fantasia (29) pensamento (29) Desilusão (28) gif (28) Recordações (27) História (26) Humor (25) introspecao (24) texto (22) Dedicatória (20) Memória (20) Morte (20) Divagações (19) Ficção (19) desespero (19) Comiseração (18) cinema (18) rotina (18) Música (17) Desejos (15) Regresso (15) existência (15) solidão (14) lisboa (13) Pelo Menos (12) Texto # (12) dúvida (12) fotos (12) quotidiano (12) Menina perfeita (11) Rimas (11) escritores (11) nonsense (11) ser (11) Vídeos (10) giphy (10) ideias (10) 'Depois de almoço' (9) escritaautomática (9) irreal (9) sentimentos (9) videos (9) Inatingivel (8) Mundo (8) blogue (8) presente (8) real (8) Suspense (7) ausência (7) coisas estúpidas (7) sombrio (7) surrealista (7) Discurso de (6) Diálogo (6) curtas (6) datas (6) desnorte (6) fotografia (6) futuro (6) gatos (6) ilusão (6) noite (6) pessoal (6) qualquer coisa (6) recordar (6) relacionamentos (6) sonhar (6) sonho (6) vídeo (6) Dia Mundial da Poesia (5) Homenagem (5) Natal (5) Religião (5) Viagens (5) autor (5) belo (5) ciidade (5) comédia (5) depressão (5) do nada (5) dor (5) espaço (5) filmes (5) imaginário (5) luxos importados (5) paginas partilhadas (5) politica (5) razão (5) trabalho (5) Actualidade (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (4) Tumblr (4) amargo (4) animais (4) aniversario (4) cidade (4) concursos (4) descrição (4) interrogação (4) intervenção (4) lembrança (4) linguagem (4) livros (4) língua (4) meditação (4) prosa poética (4) reflexao (4) saudade (4) social (4) subjectividade (4) sujeito (4) terra (4) Gótico (3) Poemas de enternecer (3) Vício (3) adeus (3) aniversário (3) auto-conhecimento (3) beleza (3) breve (3) colaborações (3) conformismo (3) conhecer (3) conversas (3) crossover (3) curtos (3) céu (3) dia (3) espera (3) eu (3) fim (3) ideia (3) lamentos (3) medo (3) mensagem (3) mulher (3) obscuro (3) outono (3) país (3) pessimismo (3) pessoas (3) popular (3) porque sim (3) páginas partilhadas (3) sem sentido (3) sentimento (3) tarde (3) viver (3) é meu (3) 'abrir os olhos até ao branco' (2) 'na terra de' (2) América Latina (2) Denúncia (2) Fernando pessoa (2) Poemas música (2) Poesia abstrato (2) angustia (2) ao calhas (2) armagedão (2) arte (2) atualidade (2) campo (2) certeza (2) condição humana (2) conto (2) curto (2) decepção (2) desconexo (2) desejo (2) destino (2) discurso (2) evento (2) fado (2) falhanço (2) familia (2) família (2) filosofar (2) hate myself (2) hesitações (2) indecisão (2) instrospeção (2) interior (2) jogos de palavras (2) lamento (2) leituras (2) liberdade (2) link (2) loucura (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) perda (2) pictures (2) poetar (2) poetas (2) psicose (2) realidade (2) revolta (2) ridículo (2) riso (2) sem tema (2) sensibilidade (2) sentidos (2) sexo (2) silêncio (2) simples (2) statement (2) subjetividade (2) subjetivo (2) viagem (2) violência (2) Africa (1) Gig (1) Haikai (1) Justiça (1) Parabéns (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Universo (1) acrescenta um ponto ao conto (1) agir (1) alegria (1) alienação (1) animado (1) ansiedade (1) análise (1) artistas (1) blackadder (1) brincadeira (1) canto (1) cartas (1) coletâneas (1) comida (1) conjetura (1) considerar (1) contribuições (1) cruel (1) crónica (1) desafio (1) desanimo (1) descoberta (1) desenho (1) despedida (1) dialogo (1) discriminação (1) distância (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escreva (1) escrita criativa (1) estranho (1) estupidez (1) estória (1) estórias (1) falar (1) fatalismo (1) feelings (1) felicidade (1) festa (1) filosofia (1) fim de semana (1) final (1) fofinho (1) frase (1) frases (1) guerra (1) haiku (1) horuscultuliterarte (1) humano (1) idade (1) ilusao (1) imaginar (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) insulto (1) inutil (1) inverno (1) irracional (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) lamechas (1) leitura (1) lembrar (1) lengalenga (1) letras (1) lingua (1) links (1) livre (1) mario viegas (1) memórias (1) metáforas (1) moods (1) movies (1) (1) nada (1) natureza (1) nomes (1) novidade (1) não sei se um dia gostava de saber escrever assim (1) números (1) once upon a time (1) outono quente (1) participações (1) passeio (1) pensáveis (1) percepção (1) personalidade (1) pobreza (1) português (1) praia (1) precisar (1) promoção (1) provocação (1) proximidade (1) prémios (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) raiva (1) rap (1) redes sociais (1) remorsos (1) renascer (1) residir (1) ridiculo (1) risco (1) ruído (1) saudades (1) sem titulo (1) sentir (1) sociedade (1) som (1) televisão (1) texto poético (1) tv (1) tweet (1) twitter (1) vazio (1) velhice (1) versos (1) vida escrita (1) vidasubjectividade (1) vivência (1) voraz (1) voz (1) vuday (1) vulgar (1) África (1) ódio (1)