16.4.17

:_:

passas sol, 
a chuva leva merda atrás dos teus sapatos de ouro gasto, 
linda feia, 
solta presa, 
o contrário da meta do teu sorriso é o fecho dos teus passos, 
sabes? 
sou o que te lembraste a adormecer, 
o envio do teu ser para o recôndito deste universo podre, 
para dar luz, 
para soprar vida, 
e depois voltar a parecer um raio de sol preso no olhar, 
e no fim? 
no fim ficar a olhar para o tempo 
que se esvai no círculo concéntrico de 
querer não estar só…..



Sem comentários:

Etiquetas

Poesia (529) Vida (311) Surreal (242) Introspecção (186) Homem (177) Pensamentos (146) poemas (127) Sonhos (69) prosa (67) Sem Título (60) Portugal (58) Contos (51) Sórdido (49) Reflexão (35) Tempo (34) Textos (32) Absurdo (31) Literatura (31) Ironia (30) Política (29) imagem (29) Amor (24) Humor (24) video (24) Escrever (23) escrita (22) Passado (19) musica (19) foto (18) youtube (18) Fantasia (17) Um dia gostava de saber escrever assim (17) História (16) Memória (16) Regresso (15) Morte (14) poesias (14) Ficção (13) Pelo Menos (12) Recordações (12) Texto # (12) imagens (12) introspeção (12) Dedicatória (11) Menina perfeita (11) introspecao (11) poema (11) Desilusão (10) desespero (10) nonsense (10) tristeza (10) 'Depois de almoço' (9) Música (9) gif (9) ideias (9) texto (9) lisboa (8) Mundo (7) Rimas (7) Suspense (7) coisas estúpidas (7) escritaautomática (7) Discurso de (6) Divagações (6) Diálogo (6) pensar (6) quotidiano (6) ser (6) Homenagem (5) abstrato (5) ciidade (5) luxos importados (5) pensamento (5) presente (5) rotina (5) Actualidade (4) Vídeos (4) animais (4) cinema (4) do nada (4) fotografia (4) noite (4) vídeo (4) Ali antes do almoço e a umas horas do sono (3) Gótico (3) Viagens (3) Vício (3) cidade (3) curtas (3) curtos (3) depressão (3) desnorte (3) dia (3) dor (3) escritores (3) fotos (3) ilusão (3) imaginário (3) intervenção (3) meditação (3) porque sim (3) qualquer coisa (3) social (3) solidão (3) sombrio (3) subjectividade (3) 'na terra de' (2) América Latina (2) Dia Mundial da Poesia (2) Poemas de enternecer (2) Religião (2) adeus (2) autores (2) belo (2) blogue (2) concursos (2) conto (2) falhanço (2) gatos (2) hate myself (2) interior (2) irreal (2) jogos de palavras (2) luta (2) manhã (2) monólogo (2) parvoíces (2) país (2) popular (2) real (2) ridículo (2) sem sentido (2) subjetividade (2) surrealista (2) tarde (2) terra (2) trabalho (2) é meu (2) Africa (1) Comiseração (1) Denúncia (1) Fernando pessoa (1) Haikai (1) Inatingivel (1) Justiça (1) Natal (1) Poesia escrita lisboa verão (1) Teatro (1) Universo (1) alegria (1) amargo (1) animado (1) aniversario (1) ao calhas (1) armagedão (1) arte (1) beleza (1) blackadder (1) campo (1) canto (1) coletâneas (1) comida (1) conversas (1) crónica (1) destino (1) dialogo (1) divulgação (1) doença (1) e tal (1) erotismo (1) escrita criativa (1) espaço (1) estória (1) evento (1) fado (1) fim de semana (1) fofinho (1) futuro (1) haiku (1) ideia (1) ilusao (1) indecente (1) infancia (1) iniciativas (1) instrospeção (1) inverno (1) jardim (1) jogo de palavras (1) já se comia qualquer coisa (1) leituras (1) lembrança (1) links (1) livre (1) loucura (1) mario viegas (1) medo (1) mensagem (1) novidade (1) obscuro (1) once upon a time (1) outono quente (1) pensáveis (1) perda (1) politica (1) prosa poética (1) provocação (1) psicose (1) qualquer coisa antes de almoço (1) quandistão (1) quarto esférico do fim (1) rap (1) razão (1) recordar (1) residir (1) riso (1) saudade (1) sentimentos (1) sociedade (1) som (1) sonhar (1) sonho (1) televisão (1) versos (1) violência (1) vulgar (1) África (1)